Da Redação JM Notícia

A Polícia Civil divulgou nesta quarta-feira (3) o resultado do inquérito sobre o atropelamento do médico Pedro Caldas, que faleceu em 16 de dezembro, mais de 30 dias depois do acidente.

A estudante Iolanda Costa Fregonesi, de 22 anos, foi indiciada e vai responder por homicídio qualificado, tentativa de homicídio qualificado, embriaguez ao volante e por dirigir sem habilitação.

A jovem dirigia pela rodovia TO-050, no perímetro urbano da capital tocantinense, e atropelou dois médicos que treinavam com um grupo para competições de triatlo. Pedro Caldas teve traumatismo craniano e não resistiu. A outra vítima é o médico Moacir Naoyuk Ito, ele estava ao lado de Caldas, treinando em uma bicicleta e teve ferimentos leves.

Segundo o delegado Hudson Guimarães Leite, responsável pelo caso, Iolanda será levada a júri popular. “Encaminhamos para o poder judiciário e acreditamos que junto com o Ministério Público vão analisar as provas e perceber que há robustez nas provas e concordar com o pedido da Polícia Civil, que é de encaminhar a senhora Iolanda para o Tribunal do Júri e ela responder pelos crimes.”

VEJA TAMBÉM
Júnior Geo alerta para conscientização no trânsito da capital após acidentes com atletas

Ainda de acordo com o delegado, a jovem já se envolveu em outro acidente de trânsito quando em 2016 ela atropelou um casal na Avenida Tocantins, em Palmas.  “Na ocasião ela agiu da mesma forma que no caso do Pedro Caldas. Estava alterada e se recusou a fazer o teste do bafômetro. As vítimas estavam em uma motocicleta e tiveram fratura exposta. Na época, elas decidiram não representar criminalmente.”

O delegado declara que a jovem não tem habilitação, que até iniciou o processo em 2014, mas não concluiu, logo, não teria o direito de conduzir um automóvel.

“Há nos autos um atestado de estado incapacidade psicomotora alterada, comprovado pelos agentes da ATTM, há testemunhas que comprovam que ela estava bêbada, exalando um cheiro muito forte de álcool”, declara o delegado.

Iolanda chegou a ser levada para a Central de Flagrantes da Polícia Civil, onde pagou fiança de R$ 3 mil e foi liberada para responder em liberdade.