Da Redação JM Notícia

Criança boliviana com um cartaz que pede um país livre

Várias cidades bolivianas foram palco de protestos contra o Novo Código Penal proposto pelo governo de Evo Morales. Diversos setores da sociedade se colocaram contra o texto, inclusive as igrejas.

No artigo 88 da referida lei está escrito que convocar pessoas para participar de organizações religiosas ou cultos seria crime com pena de sete a 12 anos de prisão. Igrejas evangélicas e católica se posicionaram contra e fizeram campanhas de jejum e oração para que o texto fosse revogada.

Neste domingo (21) o presidente boliviano declarou que estava revogando o Novo Código Penal e culpou a direita pelos protestos contra o texto. “Decidimos revogar o Código de Sistema Penal para evitar confusões e a direita deixe de conspirar e não tenha argumentos para desestabilizar o país”, declarou Evo Morales.

Prestes a completar 12 anos no poder, o presidente boliviano prometeu discutir com a sociedade civil um novo texto para o Código Penal e enviará para Assembleia Legislativa um decreto revogando completamente o código que passaria a valer dentro de um ano e meio.