Da Redação JM Notícia

O desembargador Victor dos Santos Laus foi o terceiro e último a declarar sua decisão sobre o caso ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva já condenado em primeira instância por corrupção passiva e lavagem de dinheiro no caso do triplex em Guarujá (SP).

Santos Laus seguiu o consenso do relator João Pedro Gebran Neto, e o revisor, Leandro Paulsen, e manteve a decisão de condenação e de ampliar a pena para 12 anos e 1 mês de prisão.

Com a decisão da 8ª Turma do Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4) declarada nesta quarta-feira (24), Lula se torna condenado em segunda instância. O cumprimento da pena se inicia quando se esgotarem os recursos dentro do próprio TRF-4.

Os desembargadores foram unânimes em considerar que Lula recebeu propina da empreiteira OAS na forma de um apartamento triplex no Guarujá. Eles entenderam que, assim como denunciou o Ministério Público, a propina veio de um esquema de corrupção na Petrobras e que o dinheiro da OAS abastecia o Partido dos Trabalhadores em troca de favorecimento em contratos com a estatal.