Por Francisco Vieira – Vieirinha

Jornalista e Publicitário DRT – 0001018/TO

Esta semana ficou marcada na historia política do país o julgamento de um ex-presidente da republica. Sabemos que a moeda tem duas faces e aquele que responde pela nação, tem o dever de garantir a liberdade dos poderes e a governabilidade para todos.

O que se percebe é que há resistência de fato nos resultados que não vão agradar a todos. Os projetos que pouco satisfaz o interesse do povo, muitos deles acabam parados e outros nem terminam e o cidadão perde tempo e dinheiro. O povo não é mais prioridade para alguns projetos políticos, isso explica porque parte da população não se interessa e se abstém ficando longe dos assuntos da política, sem discriminar ninguém, ainda temos bons pensadores e realizadores que filtram as boas idéias aprimorando o melhor para todos.

Não sabemos até quanto vamos aceitar o acúmulo de lixo, de sujeira; imundícia, porcaria, sujidade que gira em torno desta simbiose; quem está dentro não quer sair e aqueles que estão de fora querem entrar; na política é assim. Na verdade é uma pena não ter detector de mentiras. A nação que tem um povo que elegem corruptos, não é vítima, e sim cúmplices.

O que devemos fazer daqui para frente? Impor no voto essas regras maldosas? É conchavos que se ligam, que se ajustam diante desta situação insuportável, que vem com uma crise separatista das Indicações de cargos. A verdade é que o eleitor é o único que tem o poder do voto minerva e quando um povo se divide se faz como facilitadores de fraudes. E tenho dito.

COMPARTILHAR