Da Redação JM Notícia

Pela primeira vez na história da política nacional, as bancadas evangélica e católica do Congresso estão conversando para somar apoio e aumentar a representatividade de parlamentares cristãos na Câmara e no Senado.

Atualmente a bancada evangélica é composta de 97 deputados e três senadores, já a bancada católica tem 48 deputados. Ambos os lados pretendem eleger 200 parlamentares cristãos para defender as causas que são comuns aos dois grupos.

Entre os temas a serem defendidos pelos candidatos são: não aprovação do aborto, não aprovação do casamento gay, não aprovação dos jogos de azar, não aprovação da eutanásia e barrar a implantação da ideologia de gênero no país.

“Os nossos irmãos evangélicos não são nossos adversários e, na medida do possível, estaremos juntos na eleição. Os nossos adversários são PT, PSOL, PSTU e PCdoB, que defendem agenda progressista”, diz Paulo Melo (PEN), do Movimento Católico Pró-Vida.

Segundo o jornal O Estado de São Paulo, em Alagoas, o acordo entre os dois grupos já está selado. O deputado Givaldo Carimbão (PHS), da renovação carismática, receberá o apoio dos evangélicos para sua campanha ao Senado.