Da Redação JM Notícia

Nesta quinta-feira (22) a Polícia Civil indiciou três pessoas por corrupção devido a um esquema de funcionários fantasmas na Assembleia Legislativa do Tocantins. As investigações começaram no ano passado através do Ministério Público Estadual (MPE) e foram concluídas pela Delegacia de Combate a Corrupção na primeira fase da Operação Espectro.

Os indiciados foram o ex-diretor Geral da Assembleia Legislativa, Antonio Ianowich, o ex-Diretor de Modernização Tecnológica Danilo Parente e o coordenador de Almoxarifado e Estoque, Flávio Negreiros Alves.

As investigações apontam que Danilo Parente teria sido nomeado de forma irregular para o cargo de diretor de Modernização Tecnológica e que o grupo visava desviar dinheiro da Casa de Leis. Com a apreensão do celular de Danilo, foi possível acessar conversa dele com os outros dois indiciados tentaram criar uma versão para justificar os desvios.

Assembleia Legislativa se posiciona sobre o indiciamento

Através de uma nota, a Assembleia Legislativa do Tocantins declara que em fevereiro do ano passado instaurou uma sindicância para apurar possíveis desvios de conduta dos três servidores e o processo foi enviado ao MPE para que as devidas providências fossem tomadas.

VEJA TAMBÉM
MPE presta orientações aos consumidores lesados pela empresa Aliança Online

Todavia, naquela época, não ficou comprovada pela Comissão de Sindicância a participação de Flávio Negreiros nas supostas irregularidades, até que nesta quinta saiu a conclusão do inquérito instaurado pela Polícia Civil.

Diante desta situação, a Assembleia Legislativa decidiu exonerá-lo imediatamente. A Direção Geral da Casa declarou ainda que está em um processo licitatório para a contratação e instalação de um sistema de registro biométrico de frequência eletrônica na Assembleia, para garantir o controle do cumprimento da jornada de trabalho de todos os servidores, evitando assim contratações de funcionários fantasmas.