Da Redação JM Notícia

A guerra civil na Síria dura sete anos e, segundo dados do Observatório Sírio para os Direitos Humanos, ONG com sede no Reino Unido, mais de 500 mil pessoas já morreram nos conflitos iniciados em 2011.

Foram 511 mil pela estimativa da instituição, sendo que 350 mil das vítimas foram identificadas. As demais, a informação foi de apenas “alguém foi morto”, sem ser possível descobri o nome da pessoa.

Outra informação da ONG é que 85% dos mortos eram civis mortos pelas forças oficiais, leais ao ditador Bashar al-Assad, e por seus aliados, como a Rússia que desde 2015 tem dado apoio militar ao presidente sírio.

Por conta dos conflitos, mais da metade da população do país deixaram suas casas. Antes da guerra civil, a Síria tinha 20 milhões de habitantes.

Em março de 2011, após a Primavera Árabe, parte da população protestou pedindo a saída do presidente Addad. O governo respondeu de forma violenta e assim os grupos rebeldes se organizaram e passar a agir militarmente contra o governo.

VEJA TAMBÉM
Brasil se une a países islâmicos e vota contra Israel na OMS

Foi neste cenário que surgiu o Estado Islâmico, grupo terrorista que aumentou o terror não só na região, mas também no mundo. Mas com a ajuda de outros países os terroristas foram sendo vencidos e o governo voltou a controlar as cidades.

Os conflitos recentes tentam derrotar o último reduto dos rebeldes, colocando em risco a vida de inocentes que morrem no meio dos bombardeios.