Da Redação JM Notícia

Para o cientista político norte-americano Steven Brams, as políticas e reformas adotadas pelo governo brasileiro nos últimos anos ergueram os pilares para a implementação de um regime socialista muito próximo ao comunismo.

Brams, que atua no Departamento de Política da Universidade de Nova York, declara que o Brasil vive um momento dramático se assemelhando com um sistema arbitrário, onde abusos de poder são permitidos, se distanciando assim de uma democracia.

Uma reportagem publicada pelo site Avança Brasil traz a entrevista com cientista político afirmando categoricamente como ele vê o país como um sistema político cada vez mais parecido com o regime adotado em Cuba.

“Hoje praticamente o Estado se encontra totalmente pavimentado e pronto para assumir um papel político totalmente voltado para o socialismo”, disse Brams. Para ele, essa situação foi sendo construída nesses últimos anos, quando o país foi governado pelo PT e PSDB.

Para o estudioso, os dois partidos mais famosos do país – tidos como opositores – são, na verdade, dois partidos de esquerda. “O PT e o PSDB adotam um mesmo pensamento ideológico, não se diferem nesta questão quando o assunto é a implementação do atual sistema político. São duas lideranças de esquerda com mais força política dentro do cenário brasileiro”, afirmou.

VEJA TAMBÉM
Temer se reúne com apóstolo Valdemiro Santiago no Palácio do Planalto

Brams afirma que vê o governo de Fernando Henrique Cardoso dando os primeiros passos para a implantação do socialismo no Brasil, mas que o governo do PT foi mais radical nas reformas e intensificou as medidas que vinham sendo implementadas por FHC.

“Acredito que o PT apenas acelerou o processo de socialização e abriu a porta para se chegar em uma política bem próxima da política adotada em Cuba. Mas não foi só no Brasil que isto ocorreu. Todos os países latinos sofreram esta mesma mudança que muitos chamam de ‘bolivarianismo'”.

Publicada em março do ano passado, a entrevista volta a circular nas redes sociais aproveitando o ano eleitoral onde, mais uma vez, PT e PSDB se colocarão como pensamentos antagônicos, mas que no fundo, segundo o cientista político, agirão em busca de implantar o mesmo sistema político.

Nazismo e fascismo são designações de esquerda

Outra conclusão que o cientista político afirma na entrevista é que há quatro formas utilizadas para designar o comunismo: a social democracia, o socialismo, o nazismo e o fascismo. “No fundo todas estas designações são de origem comunista. Apenas o que difere o comunismo destas designações, é a maneira em que este comunismo é administrado politicamente.”

VEJA TAMBÉM
Abin confirma ameaça do Estado Islâmico ao Brasil, diz jornal: "Brasil, vocês são nosso próximo alvo"

Brams segue explicando que o sistema social democrata “é o comunismo mais leve”, sendo introduzido lentamente sem que a sociedade sinta seus efeitos. “Enquanto isso o Estado vai sendo modificado. No final deste processo o país já estará totalmente modificado, estruturado e a sociedade conformada e totalmente difundida dentro do comunismo.”

É na social democracia que ele enquadra o Brasil. ” No Brasil não vejo traços de democracia e sim da social democracia. No Brasil o sistema beneficia o Estado e não a sociedade, beneficia a corrupção e a impunidade. As leis são ineficazes e protegem o sistema e os corruptos. É um sistema controlador, manipulador, quase tirano. No Brasil o povo brasileiro perdeu muito sua honra e seu patriotismo, talvez pelas políticas que foram adotadas com o intuito de corromper a sociedade.” Leia a entrevista completa aqui.