Da Redação JM Notícia

Vereador Lúcio Campelo (PR)

Nesta quarta-feira (21) o vereador Lúcio Campelo (PR) foi até a tribuna da Câmara Municipal cobrar a presença do ex-governador do Paraná, o arquiteto Jaime Lerner, para prestar esclarecimentos sobre sua relação “amigável” com o prefeito de Carlos Amastha. Lerner é um dos envolvidos na Operação Nosotros, da Polícia Federal, e também um dos arquitetos projetistas do Cais Mauá, empreendimento que o Previpalmas investiu R$ 50 milhões ano passado, e que hoje é alvo de questionamentos na Câmara Municipal e no Tribunal de Contas do Estado.

Segundo o vereador Lúcio Campelo, “ já é hora de Jaime Lerner vir até esse plenário prestar esclarecimentos para a sociedade palmense. Essa é a segunda vez em que surge seu nome em meio a irregularidades gravíssimas, primeiro em 2016, como alvo da Operação Nosotros, trabalhando em conluio com operadores do esquema do BRT, e agora com o Previpalmas, brincando com a aposentadoria do servidor municipal”, questionou o parlamentar.

Campelo quer convocar Jaime Lerner para explicar também sobre sua relação pessoal com o prefeito Carlos Amastha, que segundo o vereador, são íntimas demais, mesmo após o escândalo do BRT. “Os dois tem até foto passeando em iate, são melhores amigos”, ironizou o vereador.

VEJA TAMBÉM
Vereador Vandim parabeniza Amastha por projeto de regularização fundiária

CPI

Existe um pedido de CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito), que agora em abril irá completar um ano em que foi apresentado, mas segundo Lúcio Campelo, “ o presidente da Casa, o vereador Folha, insiste em proteger os interesses da gestão e se nega a colocar a CPI em pauta”. Para Campelo, o momento da CPI seria ideal para a convocação de Jaime Lerner, mas a “pouca vontade” de Folha não permite os trabalhos investigativos do Legislativo.

O Previpalmas está sendo alvos de vários questionamentos após o surgimento da informações de aplicações suspeitas feitas através do Instituto. R$ 50 milhões da aposentadoria do servidor foram investidos através da Icla Trust, empresa envolvida no rombo milionário do Igeprev, que ultrapassa os R$ 400 milhões.

Compromisso

Enquanto essas irregularidades ocorrem na gestão municipal, vários serviços essenciais estão comprometidos e gastos desnecessários estão sendo feitos pela prefeitura. Campelo alertou para os quase R$ 3 milhões que o prefeito Carlos Amastha despendeu com a compra de pedras gigantes para serem postar nos canteiros e rotatórias da Capital.

VEJA TAMBÉM
PL de Rogério Freitas é sancionado e campanhas educativas contra a violência à mulher ganham força

“Enquanto temos filas enormes nas unidades de saúde, com exames laboratoriais suspensos por falta de pagamento, o prefeito gasta R$ 3 milhões com pedras, para enfeitar a cidade, o que coloca em risco a vida do condutor que por azar bater nessas pedras”, criticou o vereador.

Outro descaso apontado pelo parlamentar foi em relação aos professores da rede municipal, que até hoje não receberam os pagamentos das aulas que foram repostas devido a greve de 2017. “Essa é a gestão da maquiagem, que prefere comprar pedras ao invés de honrar com os pagamentos para nossos professores. Que gestor de respeito faz esse tipo escolha?”, questionou Lúcio Campelo.