Da Redação JM Notícia

A Segunda Turma do Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu nesta terça-feira (24) que o juiz Sérgio Moro, da 13ª Vara Federal em Curitiba, não será mais responsável pelas delações sobre o sítio de Atibaia e Instituto Lula.

Segundo a nova decisão, os delatores da Odebrecht não têm ligações com os desvios de verbas da Petrobrás que começaram a ser investigados em Curitiba, logo, não caberia ao juiz do caso julgar as ações.

Foram 3 votos a 2, seguindo voto divergente do ministro Dias Toffoli, e assim o processo volta a ser pauta para a Justiça Federal de São Paulo, onde os supostos crimes ocorreram.

Pelas delações de Marcelo e Emílio Odebrecht, a empresa de engenharia da família teria custeado despesas pessoais de Lula, incluindo a reforma do sítio que era frequentado pela família do ex-presidente na cidade de Atibaia, interior de São Paulo, além da compra do terreno para a Instalação do instituto Lula, em São Paulo.

Os delatores ainda comentam que os pagamentos feitos pelas “palestras” realizadas pelo ex-presiente foram realizados pela Odebrecht no exterior e faziam parte do esquema de corrupção.

VEJA TAMBÉM
Pressionada, Cármen Lúcia pode renunciar à presidência do STF

Os documentos estavam com Moro após uma decisão do ministro Edson Fachin que entendeu ser prudente que o juiz responsável pela Lava a Lato também comandasse o processo em questão. No entanto, a defesa de Lula discordou da decisão e apresentou um recurso que foi julgado hoje tirando o processo das mãos de Moro.