Da Redação JM Notícia

O Senado irá analisar uma sugestão legislativa já aceita pela Comissão de Direitos Humanos e Legislação Participativa que visa criar o “Estatuto da Diversidade Sexual e de Gênero”. O texto tem como objetivo principal promover a inclusão, combater e criminalizar a discriminação e intolerância por orientação sexual ou identidade de gênero.

O Estatuto pontua a diferença entre orientação sexual, que se refere à atração emocional, afetiva e sexual da pessoa; da ideologia de gênero que é a forma como o indivíduo se identifica, podendo ou não corresponder com o sexo atribuído no nascimento e garante direitos para ambos os casos.

“Como todos nascem iguais em direitos e dignidade, é reconhecida igual dignidade jurídica a heterossexuais, lésbicas, gays, bissexuais, transgêneros e Intersexuais, individualmente, em comunhão e nas relações sociais, respeitadas as diferentes formas de conduzirem suas vidas, de acordo com sua orientação sexual ou identidade de gênero”, determina o segundo artigo do PLS 134/2018.

No terceiro artigo do referido projeto ainda fica declarado que o Estado e a sociedade têm o dever de “garantir a todos o pleno exercício da cidadania, a igualdade de oportunidades e o direito à participação na comunidade, especialmente nas atividades sociais políticas, econômicas, empresariais, educacionais, culturais e esportivas.”

VEJA TAMBÉM
Gestão retira responsabilidades do município do Plano de Educação

Para isso, fica vedado fazer qualquer diferenciação entre as pessoas por conta de sua orientação sexual ou identidade de gênero, e fica livre a orientação sexual e identidade de gênero, a constituição de família, a constituição de vínculos parentais, entre outras coisas como “o direito fundamental à felicidade, vedada qualquer prática que impeça a pessoa de reger sua vida conforme a orientação sexual ou identidade de gênero autoatribuída, real ou presumida”.

Outro ponto do texto altera a redação de leis como a de constituição do casamento, autorizando a união de pessoas do mesmo sexo ao tirar da lei brasileira as menções de “homem e mulher” e trocar por “nubentes”. Em outro ponto, o Estatuto impede que a adoção de crianças seja negada por conta da orientação sexual ou identidade de gênero dos candidatos.

Para ler o Estatuto completo clique aqui. Acompanhe a tramitação do projeto pelo link do Senado.