Da Redação JM Notícia

O procurador da República licenciado, Mário Lúcio Avelar, teve o registro indeferido porque o PSOL está suspenso pela Justiça Eleitoral

O candidato ao Governo do Tocantins pelo PSOL, Mário Lúcio Avelar, teve seu registro indeferido pelo Tribunal Regional Eleitoral do Tocantins (TRE-TO) na manhã desta quarta-feira (16).

O motivo é que o PSOL está suspenso pela Justiça Eleitoral por falta de prestação de contas, o que acabou prejudicando os planos do procurador da República licenciado que pleiteava o cargo na eleição suplementar.

A ação julgada pelo TRE-TO foi movida pela coligação “A Verdadeira Mudança”, do ex-prefeito Carlos Amastha (PSB), que contestava o tempo de filiação partidária do candidato. Mário Lúcio se filiou ao PSOL em 14 de março deste ano, sendo que a lei brasileira pede o prazo de até seis meses de filiação.

 

PSOL e Mário Lúcio vão recorrer de decisão do Tribunal Regional Eleitoral

O Partido Socialismo e Liberdade (Psol) e o seu candidato a governador Mário Lúcio Avelar afirmam que vão recorrer no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) da decisão proferida pelo pleno do Tribunal Regional Eleitoral (TRE) nesta quarta-feira, 16, na qual julgou procedência das impugnações quanto a falta de prestação de contas pelo partido em 2015.

VEJA TAMBÉM
PSDB Tocantins fará convenção para definir nomes para as eleições suplementares

O Psol afirma que já entregou toda a documentação referente a prestação de contas no ano de 2015. O partido acredita está apto para participar da eleição suplementar e irá procurar restabelecer seu direito na corte superior eleitoral.

“A nossa candidatura está mantida. Continuaremos com nossas ações, encontros e propagação das ideias. Vamos recorrer junto ao TSE e com certeza vamos conseguir o mais breve possível voltar para o pleito dando ao eleitor a possibilidade de escolher a melhor proposta para tirar o Tocantins dessa crise pela qual o estado passa”, confirmou Mário Lúcio.