Da Redação JM Notícia

Ex-presidiários e presos do regime aberto serão contratados pelo governo estadual para atuarem na prevenção do combate a incêndio. A contratação de cerca de 50 homens faz parte de um projeto de força-tarefa para o período crítico de secas e queimadas que começa em agosto.

Com o nome de Salvando Vidas, o projeto visa treinar, estruturar e operacionalizar a Brigada de Incêndio formada pelos detentos. “É importante fazer a ressocialização e vimos uma forma efetiva para que isso ocorra”, declarou o secretário do Meio Ambiente e Recursos Hídricos, Leonardo Cintra.

Ainda seguindo ele, o governo precisaria contratar essa mão de obra para o “campo de prevenção, controle e combate aos incêndios e as pessoas que serão selecionadas precisam ser reinseridas no mercado”.

A triagem dos presos que poderão participar desse programa será feita pela Fundação de Apoio Científico e Tecnológico do Tocantins (Fapto), entidade que será responsável também pela seleção e treinamento dos brigadistas. Entre os critérios para a seleção estará o bom comportamento.

Para este projeto o Estado investirá R$ 750 mil para a admissão dos brigadistas, capacitação, compra de equipamentos de proteção individual, salários e demais despesas necessárias para a formação da brigada.

VEJA TAMBÉM
AOCP nega suspensão do concurso da Polícia Militar

Esses brigadistas atuarão nos municípios com maior número de queimadas como Formoso do Araguaia, Lagoa da Confusão, Lizarda, Novo Acordo, São Felix, Pium e Ponte Alta do Tocantins.

Vale lembrar que o Tocantins é um dos estados com o maior número de queimadas por ano, só no ano passado, foram mais de 20 mil focos. A maioria, 8.783, no mês de setembro.