Da Redação JM Notícia

Graziele Galvão chegou a ser “Gal Galvão”, ativista homossexual que fez sucesso nas redes sociais

Graziele Galvão, 30 anos, gravou um vídeo em seu canal do Youtube para revelar como ela deixou de ser homossexual. Logo no começo do vídeo ela explica que ficou conhecida nas redes sociais por se apresentar como Gal Galvão por ser ativista do movimento homossexual.

“Eu fiquei dez anos no homossexualismo, mas eu tive um encontro com Deus que mudou a minha vida”, declara ela ao iniciar seu testemunho.

Graziele relata problemas familiares, como o abuso sexual que sua mãe sofreu quando era mais nova. Ela relata ainda que seu pai molestou sua irmã mais velha e desse estupro nasceu sua sobrinha-irmã.

Até mesmo ela foi abusada sexualmente, aos 8 anos de idade, por um amigo de sua irmã que tinha 16 anos. “Ele não pensou que eu era uma criança. Ele me fez pensar que homem não presta, porque eu já tinha uma referência ruim na minha casa por causa do meu pai e depois disso eu resolvi que não queria mais ser uma menina”.

Aos 16 anos ela se assumiu homossexual por medo de ser abusada novamente. “Aquilo [se tornar um homem] passou a trazer uma segurança pra mim”.

Sua mãe se converteu e começou a orar pela família. Seu pai faleceu e ela descobriu que ele tinha filhos fora do casamento e isso deu mais motivos para ela odiar os homens e querer se tornar um, passando a tomar hormônios para assumir a identidade masculina.

VEJA TAMBÉM
"Religião separa pessoas, cria atritos e divide lares e casais", diz Edir Macedo

“Por dentro de mim tinha uma dor, uma raiva. As pessoas nas redes sociais me viam alegre, mas não viam o que estava dentro de mim”, declarou ela. “Um dia Deus me encontrou. Eu estava orando a Deus porque eu tinha tudo, mas não estava feliz. Quando passava o efeito das drogas eu via que eu não estava feliz”, completou.

“Um dia eu estava tão depressiva que eu falei: ‘Deus se o Senhor existe, me encontra hoje então’. Eu fiz essa oração de manhã e de tarde minha amiga Jéssica foi à minha casa falar de Jesus pra mim”, revelou ela que foi convida naquele dia a participar de um encontro com Deus, evento de uma igreja evangélica.

Nesse encontro ela foi ministrada por Deus, em seu coração, de que ela tinha que perdoar seu pai. Ela relutou com aquele sentimento até ela foi levada a relembrar seu passado onde ela, assim como seu pai, colocou seu prazer acima das outras pessoas com quem ela se relacionou.

VEJA TAMBÉM
Marcelo Rezende é internado e namorada pede ajuda a Deus

“Quando Deus me falou aquilo eu senti nojo de mim, porque só eu sabia as coisas que eu tinha feito”, completou ela dizendo que estava se tornando uma pessoa agressiva e clamou a Deus para que Ele tirasse aquele sentimento dela”.

Mas aquele momento não foi suficiente para ela deixar sua vida para trás, ela saiu daquele encontro e foi para uma balada com sua namorada e ali elas tiveram um desentendimento e brigaram. Quando ela foi agredir a menina, ouviu uma voz que a fez resolver deixar aquele relacionamento, as drogas e a vida de homem trans.

“Eu sai daquela balada e aquela semana foi de depressão, de pensamentos de suicídio. Eu lembro que um dia foi para a academia, onde treinava há mais de dois anos, e uma mulher entrou ali e começou a falar de Jesus para todas as pessoas”, revela. Mesmo tentando se esconder, a mulher foi até ela e pediu para fazer uma oração com ela e foi na academia que ela aceitou Jesus.

Foi então que sua história começou a mudar e ela passou a ver Deus como um pai. “O mesmo Deus que mudou a minha vida e mudou minha história também pode mudar a sua”, completou.

Assista: