Da Redação JM Notícia

Vicentinho Alves

Através de sua assessoria de imprensa, o candidato ao Governo do Tocantins pelo PR, Vicentinho Alves, esclareceu as denúncias que fez à Justiça Eleitoral que levou a Polícia Federal a cumprir mandatos de busca e apreensão na sede do Governo e nas secretarias.

Apesar do conteúdo da investigação correr em segredo de justiça a suspeita é que a operação na Sefaz e na Seden trata-se de pagamento ilegal de emendas feito às vésperas da eleição suplementar pelo governador interino Mauro Carlesse (PHS). Este caso já foi destaque na mídia e revelou após a queda do sigilo da primeira etapa da operação que a grande maioria das emendas seriam para gastos com shows, festas, eventos esportivos, religiosos e atividades de recreação.

Entre os pagamentos questionados pelo candidato está o pagamento de uma emenda já aprovada para Carlesse, em sua função de deputado estadual, que será destinada à 46° Expo-Gurupi no valor de R$ 300 mil.

“A Polícia Federal não gasta gasolina à toa. Este desdobramento mostra as atitudes irresponsáveis, graves e de afronta a legislação eleitoral cometidas pelo governador interino,” comentou Vicentinho Alves.

VEJA TAMBÉM
Pastor José Filho declara apoio a Mauro Carlesse em nome da estabilidade do Estado

A denúncia fala em um total de R$ 18 milhões gastos com emendas pagas às vésperas da eleição suplementar que acontece em 24 de junho.