Da Redação JM Notícia

Número de jovens com menos de 40 anos que não frequenta cultos também aumentou (Foto: Pixabay)

O Instituto Pew Research divulgou o resultado de uma pesquisa que revela que os jovens adultos brasileiros (com menos de 40 anos) têm menos probabilidades de estarem ligados a uma religião que seus pais.

O fenômeno é semelhante ao de outros países, principalmente na Europa e nos Estados Unidos, como mostra a pesquisa que ouviu jovens de 106 países para traçar essa relação entre as gerações e a religiosidade.

Ao comprar os jovens adultos com seus pais, a probabilidade é significativamente menor da pessoa se considerar “religiosa”. Dois 35 países europeus, 22 notaram essa diminuição de afiliação religiosa e na América Latina o fenômeno também se repetiu.

Enquanto no ocidente os jovens estão cada vez mais distante da religião, nos países do Oriente Médio e Norte da África, onde predomina o islamismo, essa fenômeno não acontece, o grau de religiosidade entre pais e filhos é o mesmo. No Chade e no Gana, os jovens são mais religiosos que seus pais.

A pesquisa questionou sobre o quanto a religião era importante na vida do entrevistado. Cerca de 50% dos jovens cristãos responderam que é “muito importante”, sendo que o grupo etário mais velho teve 56% da resposta.

VEJA TAMBÉM
Não me identifiquei com a religião evangélica, diz filha de Baby do Brasil

Entre os muçulmanos, 76% das pessoas com menos de 40 anos declarou que a religião é “muito importante” e as 79% das pessoas com mais de 40 anos responderam o mesmo.

O Instituto Pew divulgou também a queda do número de pessoas frequentando encontros religiosos e mais uma vez os jovens adultos são os que menos frequentam, uma constatação feita em 53 dos países pesquisados. Com informações Instituto Pew Research