Da Redação JM Notícia

Para poder analisar o pedido de impeachment do prefeito Marcelo Crivella (PRB), a Câmara Municipal do Rio de Janeiro interrompeu o recesso e começará a discutir a ação nesta quarta-feira (11).

Para poder apresentar o pedido, 17 vereadores assinaram a petição do vereador Átila Nunes (MDB-RJ) alegando “crime de responsabilidade” por conta de uma reunião do prefeito com um grupo de pastores.

Nessa reunião, Crivella ofereceu a líderes religiosos ajuda para realização de cirurgias de catarata e varizes, pelo Sistema Único de Saúde (SUS), para os fieis.

Outro benefício oferecido pelo prefeito foi a possibilidade de auxiliar na obtenção de isenção legal de pagamento do Imposto Predial Territorial Urbano (IPTU) para seus templos, que é um benefício legal, garantido pela Constituição, e oferecido não apenas às igrejas evangélicas, mas a templos de qualquer religião.

A oposição tem conseguido mobilizar a população e vários grupos contrários ao prefeito devem participar da sessão desta quarta. O processo de impeachment só será iniciado se tiver 34 votos favoráveis.