O programa Palmas Solar que está sendo implantado na Capital foi o tema abordado pelo prefeito Carlos Amastha durante sua participação no workshop sobre “Energias Renováveis nas Cidades”, realizado na manhã desta sexta-feira, 04, dentro da programação da Conferência das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas (COP 21), em Paris.

6a4e0b9a44a65a3326524f7abea39d44

Ao lado de prefeitos do mundo inteiro – Gregor Robertson (Vancouver – Canadá), Daniella Radice (Bristol – Inglaterra), Katrin Stjernfeldt Jamme (Malmö – Suécia) e Claude Turmes (membro parlamento europeu para Luxemburgo), entre outros, que também falaram das suas ações em prol da sustentabilidade – Amastha reiterou o grande potencial energético existente em Palmas.

Amastha ressaltou que a minuta da lei do Palmas Solar nasceu no I Seminário Internacional Palmas Solar realizado do dia 29 de junho a 1º de julho deste ano, na Universidade Federal do Tocantins, com a participação diária de 250 pessoas. Professores, pesquisadores, especialistas e demais integrantes da sociedade acadêmica e científica, nas áreas de Engenharia, Arquitetura e afins, foram ouvidos no intuito de criar um projeto que agregasse um número ainda maior de pesquisadores do tema.

VEJA TAMBÉM
PRB se reúne com ex-prefeito de Palmas, Raul Filho

O objetivo do evento foi, entre outros, inserir Palmas no cenário mundial, como referência do uso eficiente de energia solar, tendo em vista a excelente condição natural da região. “Chegamos à conclusão unânime de que esse sol maravilhoso que recebemos todos os dias é a maior das nossas potencialidades e a maior das nossas vantagens. Por isso, a gestão já vinha discutindo o tema, e esse evento foi o ponto alto desse debate”, ressaltou Amastha.

O Programa Solar visa contribuir para a melhoria das condições de vida das famílias palmenses, aumentar a competitividade e estimular o uso de energia fotovoltaica, mitigar a geração de Gases de Efeito Estufa, criar alternativas para compensação de áreas degradadas, reduzir a demanda de energia elétrica em horários de pouco de consumo, entre outros.

“Este projeto conta ainda com incentivos fiscais, como desconto no IPTU. Queremos estimular também o desenvolvimento e a capacitação dos setores comerciais e de serviços relativos a sistemas de energia solar, assim como promover o desenvolvimento sustentável em Palmas”, destacou Amastha, lembrando que Lei Complementar Nº 327, de 24 de novembro de 2015, já está em vigor.

VEJA TAMBÉM
Defesa de Amastha contesta inquérito da PF que o acusa de corrupção e cobrança indevida de IPTU

Acompanham o prefeito Amastha, a presidente da Fundação Municipal de Meio Ambiente, Germana Pires e o secretário extraordinário Extraordinário de Implementação de Projetos Especiais, Ephim Shluger.