Você costuma ler a Bíblia no seu smartphone? Saiba que você pode estar infectado com diversos malwares segundo pesquisadores que divulgaram recentemente que esses apps deixam seu smartphone vulnerável.

O resultado foi divulgado pela Proofpoint, que descobriu que diversos aplicativos que levam as escrituras para milhões de usuários possuem uma ameaça que podem possibilitar roubo de dados, rastreamentos e fazer chamadas sem a autorização do usuário.

O número de apps estudados é de 38.000. Desses, cerca de 3,7% estão infectados, ou seja, cerca de 1.406 apps. O número pode não assustar tanto, mas um único app bíblico na App Store e Google Play possui cerca de 50 milhões de downloads e vários outros, também estão na casa dos milhões, o que facilita a propagação dos malwares.

Muitos desses apps não possuem Política de Privacidade, o que já é um alerta para os usuários, o que possibilita que o app acabe por fazer alterações que violem a privacidade do usuário. Inclusive, entre os apps infectados, muitos estão classificados como malwares de alto risco para os usuários.

VEJA TAMBÉM
Desembargador de São Paulo determina desbloqueio de WhatsApp em todo o Brasil

Um dos objetivos da pesquisa é mostrar que o objetivo do App, no caso, um App religioso, não isenta o mesmo de estar vulnerável a ameaças que expõem os usuários a riscos que podem acabar em roubo de dados como números de cartão de crédito.

A Proofpoint também analisou milhares de outros Apps gratuitos disponíveis na App Store e Google Play, e em todas as categorias foram encontrados Apps maliciosos.

A empresa classificou os Apps em 2 categorias: Malicioso e de Alto Risco. Os apps maliciosos são os que exploram o sistema operacional obtendo informações que normalmente não teriam acesso. Já os de Alto Risco são os que aproveitam a vulnerabilidades do sistema para vazar informações pessoais e atividades do usuários, incluindo até mesmo o acesso a lista de contatos dos usuários.

Um dos líderes da pesquisa, Kevin Epstein, afirmou que a pesquisa é importante para que organizações implementem métodos que possam identificar e proteger a segurança de suas organizações.

Via Generis