Da Redação JM Notícia

AmCEv7Uwac4fxdjB2b-6SBAjJLw8TWWDvCtKbz3ZS2qZ
 Câmara de Vereadores lotada de servidores públicos e religiosos.

A Câmara Municipal de Vereadores estava lotada, na manhã desta quarta-feira, 09, de servidores públicos, representantes do Sindicato dos Servidores do Município (SIPEP), e também por representantes de diversas religiões, que são contra a ideologia de gênero em Palmas.

A pauta do dia seria a votação sobre o Projeto de Carreira justa, reivindicado pelos servidores públicos, que querem equiparação de nível de função e salário ao dos servidores da saúde, e o Plano Municipal de Educação, que já foi vetado pelo prefeito Amastha sobre a exclusão do termo “ideologia de gênero” no Plano e devolvido à Câmara para votação mais uma vez, que já havia votado contra, mas as votações foram adiadas em meio a tantos protestos e polêmicas por parte da sociedade sobre o tema.

Câmara 1
Servidores públicos e religiosos fazem reivindicação na Câmara de Vereadores sobre o Plano de carreira justa e o Plano Municipal de Educação, que inclui ideologia de gênero.

De acordo com a assessoria da Câmara, toda a dificuldade sobre a votação se dá por causa dos questionamentos sobre a ideologia, que tem gerado revolta por grande parte da sociedade, principalmente os religiosos. Católicos estiveram na Câmara com terço e cartazes e rezavam pedindo a Deus proteção às famílias.

VEJA TAMBÉM
Bancada evangélica confronta MEC por “diversidade de gênero” nos livros escolares

Segundo o pastor Amarildo Martins (PSC), que deve assumir a vice-presidência do partido cristão no Estado, disse que a luta contra a inclusão da ideologia de gênero não é uma questão de religião, mas de base familiar.

Amarildo 1
Pastor Amarildo Martins (PSC) diz que idelogia de gênero não é uma questão religiosa, mas familiar.

“Quando Deus criou o homem ele colocou, sempre foi assim e sempre será, Deus em primeiro lugar e em segundo lugar a família. Em lugar nenhum você vai ver uma outra ordem na vida do homem a não ser essa. Deus, a família, o trabalho e a igreja. Isso aqui não é um assunto de igreja, de ideologia ou religião, isso aqui tem a ver com família, e família é a base da sociedade. O dia que acabar a base vai ruir todas as coisas, é por isso, que nós estamos aqui. Aqui tem pastores, padres, freiras, todos estamos aqui porque entendemos que o mais importante, depois de Deus, aqui nesse mundo, é a família, então nós não podemos aceitar e temos que defender nossa base”, comentou.

VEJA TAMBÉM
MPE ajuíza ação contra prefeito de Paranã pela manutenção irregular de servidores não concursados

As votações sobre os temas devem acontecer nesta quinta-feira, 10.