ariUm protesto pró-LGBT realizado na Universidade Federal do Ceará (UFC) extrapolou o direito à liberdade de expressão segundo a Ordem dos Advogados do Brasil no estado.

A Comissão de Liberdade Religiosa da OAB-CE emitiu uma nota com críticas à performance do ator Ari Areia, em que ele, seminu, extraiu seu próprio sangue para jogar sobre um crucifixo, em manifestação contrária à visão cristã sobre a homossexualidade.

A “performance artística” de Areia aconteceu dia 17 de maio durante o seminário “Conversas empoderadas e despudoradas sobre gênero, sexualidade e subjetividades”. O ator usava apenas um tapa-sexo e drenou sangue de seu braço através de um acesso intravenoso e jogou sobre uma imagem de Jesus crucificado.

Além das críticas feitas a Areia pela OAB-CE, a Assembleia Legislativa do Estado também se posicionou em repúdio.

A nota da Comissão de Liberdade Religiosa da OAB-CE foi publicada após um encontro em que os membros do colegiado debateram o polêmico protesto. Na ocasião, Ari Areia foi convidado para expressar seu ponto de vista, mas não compareceu.

VEJA TAMBÉM
Presidente nacional da OAB promove ato em defesa da advocacia em Araguaína

A nota pontua que a Comissão de Liberdade Religiosa da OAB-CE irá “oficiar ao Ministério Público Federal para que investigue a conduta do ator e dos demais agentes responsáveis pela exibição da peça, tomando as medidas que julgar apropriadas para restaurar o império da lei, da paz e da tolerância”.

Robson Sabino, presidente da Comissão de Liberdade Religiosa, afirmou que a nota é um posicionamento oficial da entidade diante dos fatos e após uma solicitação formal de uma advogada, que pediu que a Ordem tomasse providências: “Nós não poderíamos ficar omissos. Advogados compareceram à sessão, expuseram seus pontos de vista e pediram que a OAB tomasse providências. Sendo assim, isso saiu da minha esfera de presidente, para que fosse colocado para o colegiado, permitindo que os membros da Comissão decidissem se ele [Ari Areia] agiu dentro dos limites de liberdade de expressão ou se foi além desse direito constitucional, se ele ofendeu, vilipendiou… tudo isso foi debatido aqui e a Comissão chegou a algumas conclusões”, afirmou, em entrevista ao Guia-me.

VEJA TAMBÉM
Juíza manda prender advogada durante audiência no RJ

“Por unanimidade, a Comissão decidiu que ele agiu além do direito de liberdade de expressão, que ele usurpou da liberdade das pessoas e que ele vilipendiou um símbolo cristão”, acrescentou.

Com informações Gospel Mais