Da Redação JM Notícia

Ao JM Notícia, Raul desafia Amastha a apresentar uma obra que o identifique, além da limpeza da cidade
Ao JM Notícia, Raul desafia Amastha a apresentar uma obra que o identifique, além da limpeza da cidade

Esta semana, seguindo a rodada de entrevista com os candidatos a prefeitura de Palmas, o JM Notícia ouviu o ex-prefeito Raul Filho (PR), candidato a assumir seu terceiro mandato de prefeito de Palmas pela coligação “Coragem pra fazer Diferente”. Raul foi o único prefeito da jovem Capital do Tocantins a conseguir se reeleger, e esteve a frente do Município por 8 anos, de 2005 a 2012.

Em sua entrevista, o ex-prefeito falou sobre a escolha do nome do pastor João Campos (PSC)  para compor sua chapa como vice-prefeito; sobre perspectivas para o segmento gospel; sobrecarga de taxas e impostos a qual ele atribui a atual gestão, e ainda desafia o atual prefeito a apresentar alguma obra em Palmas que o identifique, além da limpeza urbana.

Hoje temos uma cidade limpa, mas onde estão as obras que geram emprego e renda?” e ironizando, Raul acrescenta que a única obra que o prefeito pode bater no peito e dizer que é dele é o relógio de flores.

Obras

O republicano lembra que foi dele o projeto das Escolas de Tempo Integral, que sua gestão entregou três e deixou mais três para serem concluídas. O ex-prefeito também citou as obras das Unidades de Pronto Atendimento  Sul e Norte. A unidade da região Sul entregue no final de sua segunda gestão e a da região Norte deixada em construção. “A minha gestão deixou a  UPA Norte com mais de 70% da obra concluída. Eu gostaria de saber porque o Amastha demorou dois anos e meio para entregá-la a sociedade?”, questiona.

Raul argumenta que deixou mais de 80 milhões em caixa, muitas obras finalizadas e outras em construção, sendo que muitas foram entregues nos primeiros meses de gestão do atual prefeito. “Eu deixei a prefeitura de Palmas e a cidade estava com uma economia emergente, mas hoje se tornou em uma economia crítica”, destaca Raul que ainda cita as inúmeras salas comerciais que hoje estão desalugadas na JK e a quantidade de casa na cidade com placas de vende-se.

VEJA TAMBÉM
Pesquisa é questionada pela coligação do Prefeito Amastha na Justiça

Taxas

Mais de 180 empresas fecharam as portas em Palmas nos últimos dois anos, muitas delas migraram para cidades vizinhas, porque não suportam o ISSQN, o IPTU, as taxas e mais taxas. Que governo é esse que não consegue equilibrar a sua economia? Por que ao taxar excessivamente você acaba reduzindo empregos e investimentos”, esclarece.

Raul chama o governo Amastha de “perdulário”, gasta mais do que arrecada e o acusa de planejar mal os seus gastos, aí precisa achar argumentos para arrecadar ainda mais, para suprir os seus déficits”, referindo se a proposta do executivo enviada à Câmara Municipal para aumentar ainda mais o IPTU.

“A gestão argumenta que caso não aumente o IPTU, não haverá recurso para educação”, Raul diz estranhar tal argumento, porque em sua gestão, com um orçamento reduzido ele afirma que nunca faltou dinheiro para educação e mais uma vez questiona, “Porque com esse orçamento sem investimento, a gestão argumenta que não há recurso para educação?” e enfatiza que falta comprometimento e planejamento.

Trânsito

O candidato também fez duras críticas ao trânsito e ao sistema de fiscalização hoje implantado em Palmas. Para Raul, o argumento do prefeito Carlos Amastha de que está organizando e punindo os maus condutores que provocam as mortes no trânsito não convence.

 “Ele está obsessivamente provando a sociedade que o interesse dele não é educar o cidadão, o negócio dele é arrecadar. A política aqui é punitiva. E eu não vi nenhuma campanha educativa da prefeitura, tendo em vista tanta arrecadação, o que eu vi de mais educativo foi a contração de buffet”, ironizou o candidato ao caso da atual gestão ter contratado os serviços de buffet no valor de R$ 186.863,75, que seriam pagos com o dinheiro das multas de trânsito.

VEJA TAMBÉM
PR recebe 80 novos filiados durante 4º Encontro em Taquaralto

Vice-prefeito

raulas
Pastor João Campos e Raul Filho – Foto: Antônio Gonçalves

Questionado o porquê da escolha do pastor João Campos para compor a sua chapa, um nome que chegou a ser cogitado a ser o candidato a vice do prefeito Amastha, Raul explica que não foi uma casualidade e viu no vereador o perfil ideal para composição de sua chapa. “O fator dele ser evangélico pesou muito, mas não foi apenas isso, ele tem muito mais do que isso. O pastor João Campos transita muito bem na sociedade, pela sua postura, as relações humanitárias, presente na sociedade e compatível ao cargo”. Raul frisou ainda que a escolha do vice precisa ser um nome que a sociedade tenha segurança, que ele possa suceder em qualquer circunstância.

Capital da Fé

Raul foi o primeiro gestor a ter a coragem de não destinar recursos públicos para o Carnaval em Palmas. Questionado sobre se sua gestão dará continuidade ao Capital da Fé, um evento promovido pela atual gestão e que reúne milhares de fiéis no período do carnaval, Raul garante que dará continuidade ao projeto, mas o considera pouco democrático.

Vamos reformular, vamos chamar os líderes religiosos e discutir com eles um modelo que possamos implementar no nosso calendário, até porque nossa cidade tem essa característica muito forte da fé”.