Da Redação JM Notícia

"O diabo não passa por Palmas, porque ele está tão bem representado, porque se ele pisa aqui ele tem medo de que tire o trono dele"
“O diabo não passa por Palmas, porque ele está tão bem representado, porque se ele pisa aqui ele tem medo de que tire o trono dele”

Além de pronunciar duras críticas ao pastor Amarildo Martins, o prefeito e candidato a prefeitura de Palmas, Carlos Amastha (PSB) ainda ironiza o texto bíblico que diz que toda autoridade é constituída por Deus e dispara que o diabo está bem representado em Palmas, e que ele não pisa na cidade com medo de que alguém lhe tire o trono.

A ironia e as críticas foram proferidas na última terça-feira, 06, quando o candidato se reuniu com alguns lideres evangélicos para apresentar o balanço de sua gestão referente ao Palmas Capital da Fé e a regularização de áreas, que foram doadas pela gestão e que já foram questionadas pelo Ministério Público Estadual.

No áudio, como pode ser conferido, Carlos Amastha, por não conhecer os princípios bíblicos, ironiza o texto diz que toda autoridade é constituída por Deus. “Cada vez que ouço isso eu pergunto: Deus também colocou esses bandidos aí?” (No áudio não deixa claro se a referência de bandidos era aos pastores líderes das igrejas onde o prefeito diz ter recebido orações ou a alguns vereadores de Palmas, os quais ele cita e que no final de sua fala faz uma referência a eles como bandidos).

VEREADOR PR. JOÃO CAMPOS LAMENTA

João-Campos-de-Abreu
Vereador João Campos lamenta fala do prefeito Amastha

Nesta terça-feira, 13, o vereador vereador João Campos (PSC), usou a tribuna e  lamentou a fala do prefeito: “Nós lamentamos seriamente esse tipo de atitude. Reiterou várias vezes, isso está nos áudios e foi divulgado, ele dizendo que os verdadeiros capetas e satanases estão aqui nesta Casa e que não há necessidade de satanás vir aqui em Palmas, porque já está muito bem representado pelos vereadores”.

Campelo 

Para o vereador Lúcio Campelo (PR) o posicionamento do prefeito Carlos Amastha foi infeliz e insano. “Isso é insanidade! Não respeitar os parlamentares que ajudaram ele a construir ao longo desses três anos e sete meses, oito meses de gestão, atribuir a essas pessoas que estiveram com ele, do lado dele, essa alcunha de capetas e satanases. Se ele faz isso com os vereadores, imagine com a sociedade. Se ele dá esse tratamento a quem esteve com ele, fazendo chacota com a palavra de Deus!”, criticou.

VEJA TAMBÉM
Amastha chega em Palmas, diz que não é bandido e que a PF “revirou” sua privacidade

OUÇA O ÁUDIO:

O candidato mostra total desconhecimento da passagem bíblica e do que realmente ela representa e acrescenta: “Porque tem que ter o capeta para se contrapor ao bem”.

Ao fundo é possível ouvir risadas, como de quem está de acordo com a ironia, dos pastores e líderes religiosos presentes na reunião. E para completar, Amastha ainda argumenta: “Não é? Não é gente? Porque nós todos somos religiosos (fazendo uma referência a si mesmo, que em outra ocasião se declarou ateu) por que vocês têm que fazer esse trabalho, por que todos são bonzinhos?” , ironizou.

No discurso ainda em tom irônico, o prefeito de Palmas, ressaltou que o diabo não passa pela cidade. ” Porque ele tá tão bem representado, porque se ele passar por aqui ele tem medo de que tire o trono dele”.

Sobre os quatro vereadores (Milton Neres, Rogério Freitas, Emerson Coimbra e Pastor João Campos) que faziam parte da sua base e que ele afirma que os expulsou, Amastha diz ter sido chantageado por eles durante os três anos de sua gestão. E ainda faz um referência a eles no final do áudio como bandidos. “Agora q chegou o momento político eu não vou subir ao palanque para pedir votos para bandidos“.

VEJA TAMBÉM
Folha reafirma que vai se manter na liderança de Amastha na Câmara

Dentre os quatro vereadores citados, três são evangélico, sendo um pastor. Ao citar o vereador pastor João Campos (PSC), candidato a vice-prefeito na chapa do ex-prefeito Raul Filho (PR), Amastha não poupou criticas indiretamente contra o pastor Amarildo Martins, presidente estadual das Assembleias de Deus Madureira no Tocantins e Maranhão.

Para Amastha, o vereador João Campos(PSC) sempre trabalhou contra a sua gestão: “Gente, o cara sempre trabalhou contra a gente, sempre, justamente pelo sectarismo, justamente por ser sectário”.

E sobre o trabalhar contra a sua gestão, Amastha fez referência ao Emep (Encontro da Mocidade Evangélica de Palmas, que acontece há mais de 10 anos sempre no mesmo período do carnaval). “Ele foi o único que fez um evento no último dia do evento para prejudicar o grande evento (uma referência ao Capital da Fé, que também aconteceu no feriado de carnaval).

Críticas ao pastor Amarildo Martins

Pastor Amarildo Martins também é vice-presidente Nacional das Assembleias de Deus
Pastor Amarildo Martins também é vice-presidente Nacional das Assembleias de Deus

Sem citar o nome do pastor Amarildo Martins,mas chamando de líder do pastor João Campos (PSC), Amastha (PSB) disparou duras críticas, disse que ele só pensa no umbigo dele, afirmou que tentou atrapalhar o Palmas Capital da Fé e disse que ele (Pr. Amarildo), a quem se refere como líder, odeia a sua administração.

Ao finalizar, Amastha disse que o motivo de tirar o pastor João Campos da base, teria sido por causa do líder dele (Pastor Amarildo).

Revolta

O áudio do ataque do prefeito Amastha ao pastor Amarildo Martins tem rendido vários comentários em todo a cidade, principalmente no meio assembleiano. Alguns pastores comentaram ao JM Notícia, que o “pastor das ovelhas” foi atingido pelo prefeito, e que alguns evangélicos que votavam no gestor, já não votam mais.

 

COMPARTILHAR