sindicartos
MUSME-TO diz que não vai ceder ao trancamento da negociação diz que não vai ceder ao trancamento da negociação

Em reunião ocorrida na noite da última segunda-feira, 24 de outubro, os Sindicatos que integram o Movimento de União dos Servidores Públicos Civis e Militares do Estado do Tocantins (MUSME-TO) rechaçaram a atitude do Governador Marcelo Miranda e sua equipe em encerrar as tratativas de negociação com os grevistas. Na última segunda-feira, o Governo do Tocantins entregou às entidades sindicais um ofício no qual afirma não ter condições legais e financeiras para atender as reivindicações dos servidores públicos e considerou esgotadas as tratativas relacionadas ao implemento da data-base.

Os sindicalistas tinham reunião de negociação agendada com o Governo para às 16 horas do dia 24. No entanto, a reunião não aconteceu e após os presidentes permanecerem quase três horas esperando uma resposta, o secretário da Comunicação Social, Rogério Silva, apareceu com um ofício em mãos e entregou aos Sindicatos. No documento, além de sinalizar o trancamento da negociação, o Governo trouxe novamente a proposta de parcelar o índice da data-base 2016 em três vezes: 1) Pagamento de 2%, em janeiro de 2017; 2) Pagamento de 2%, em maio de 2017; 3) Pagamento de 5,83%, em outubro de 2017; 3) Pagamento do passivo da data-base de 2015 no exercício de 2017; 4) Redução da jornada de trabalho para 06 horas diárias corridas (30 horas semanais).

VEJA TAMBÉM
AD Missão realiza evento com Pr. Robinho (MT) neste sábado (05), em Palmas

Além de rechaçar o trancamento da negociação, o MUSME-TO definiu que a greve continuará por tempo indeterminado e somente as deliberações dos servidores poderão encerrá-la.

Outra decisão do MUSME-TO é questionar os pontos que não foram contemplados na proposta. “O Governo terá que nos detalhar melhor essa proposta e trazer alguma novidade sobre o retroativo do ano de 2016, pois não dá simplesmente para esquecer esses valores. O servidor não vai aceitar mais um calote”, argumentaram os presidentes.

Também não foi contemplada na proposta a diferença mensal do parcelamento do índice de 9,8307% até que se implemente a última parcela, ou seja: a diferença dos valores da parcela gerada entre janeiro e outubro de 2017. “Não aceitamos trancar a negociação e não vamos ceder! Vamos procurar novamente o Comitê Gestor para buscar os esclarecimentos pertinentes sobre a proposta e vamos lutar pelo direito do servidor”, concluíram os presidentes.

CORTES

Nesta terça-feira, 25, o Governador Marcelo Miranda reuniu o secretariado no Palácio Araguaia para anunciar novos ajustes de contas na máquina governamental. Segundo Miranda, a ordem é cortar excessos, gastos e atrair investimentos futuros.

 “Nós temos todas as condições de fazer o melhor, mesmo diante das dificuldades. A minha determinação é para que busquemos as alternativas e medidas necessárias para proteger o Estado, atrair investimentos futuros, cortar excessos e garantir, à população, serviços de qualidade”, disse o governador.

 REUNIÃO NA AL

VEJA TAMBÉM
Relação de servidores aptos à progressão é enviada à Comissão para análise

Na manhã desta terça-feira, 25, o MUSME-TO esteve na Assembleia Legislativa e conseguiu se reunir com os deputados estaduais. Na ocasião, os Sindicatos solicitaram a intervenção dos deputados Osires Damaso e Valderez Castelo Branco, no sentido de facilitar o diálogo com o Governo e reabrir a negociação da data-base com os grevistas.