Da Redação JM Notícia

Nesta quarta-feira (26) o juiz titular Thomaz de Souza e Melo, da 1ª Vara Civil do Rio de Janeiro, manteve a decisão de suspender as eleições da Convenção Geral das Assembleias de Deus do Brasil (CGADB) que aconteceram em 9 de abril.

A convenção recorreu da decisão anterior alegando não ter recebido a intimação, porém o juiz citou nos autos que o documento foi assinado por Abiezer Apolinário da Silva (advogado) e Wilson Pinheiro Brandão (Vice-presidente da Comissão Eleitoral).

Ora, não se pode exigir, tal como pretende a Requerida, que a única forma possível de intimação da CGADB seja através de seu presidente”, escreveu o juiz entendendo que impor essa condição seria um obstáculo para o cumprimento das decisões judiciais.

O juiz afirma também que o próprio site da Convenção chegou a postar que as eleições estavam suspensas, mostrando que a entidade teve, de fato, conhecimento sobre a decisão judicial que agora tenta contestar e dizer que não tinha conhecimento.

“Quer-se dizer que, mesmo sabedora a Requerida da decisão que suspendeu o pleito, prosseguiu no seu intento de dar posse aos ‘eleitos’, sem sequer fazer menção ou ressalvas a decisão judicial, como se esta de nada valesse ou sequer existisse“.

VEJA TAMBÉM
"Novo tempo de resgate da história da Assembleia de Deus", diz pastor Ivan Bastos ao se desligar da CGADB

O juiz entendeu também que ao noticiar que as eleições estavam suspensas, a CGADB não poderia dar possa à “suposta diretoria eleita”. “Ainda que assim o fosse, não haveria como validar-se aquele pleito, eivado de vícios e tomado pelo clima de insegurança criada no seio dos próprios associados e eleitores”, escreve o magistrado.

A decisão de suspensão do pleito foi mantida e pede a urgência de novas eleições para que a Assembleia de Deus do Brasil não fique sem presidente, mesa diretora e conselho fiscal. Enquanto isso não acontece, do atual presidente, da Mesa Diretora e do Conselho Fiscal.

A decisão também marca para o dia 4 de maio, às 14h, que as partes envolvidas nesse processo, e seus advogados, compareçam na 1º Vara Civil para “cooperar e auxiliar o Juízo na adoção de parâmetros técnicos que viabilizem a realização, o quanto antes, de novas eleições”.