Barbiero questiona contrato do Estado que ultrapassa R$ 14 milhões para serviço de armazenamento em nuvem

O Deputado Estadual Alan Barbiero (PSB) cobrou na última semana explicações do Governo do Estado do Tocantins sobre o contrato 13/2017 entre a Secretária do Planejamento e Orçamento (Seplan) e a empresa INTELIT Processos Inteligentes LTDA. Assinado no dia 07 de abril, e publicado no Diário Oficial do dia 25 de abril, o contrato tem o valor R$ 14.062.214,40 com o objetivo de prestação de serviços de informática (aquisição de solução de para criação de nuvem privada para o Estado do Tocantins e fornecimento de locação.

Barbiero cobrou que a Seplan detalhe a prestação do serviço que justifique um valor tão alto do contrato, bem como a fonte de recursos para o pagamento. “Quero entender este contrato, não existe uma estrutura de armazenamento de dados na nossa região? Qual a descrição destes serviços para ultrapassar os R$ 14 milhões? Queremos saber também a fonte do recurso para pagamento?”, questionou.

O deputado Olyntho Neto (PSDB), que subscreveu o requerimento, apoiou a iniciativa e complementou: “Faltam sistemas para o Governo do Estado, que dados eles vão armazenar por R$ 14 milhões, e os servidores físicos que ele dispõe?”, disse.

VEJA TAMBÉM
Lúcio Campelo diz que Amastha cobra da população mas não cumpre suas obrigações como empresário

Outros questionamentos

Barbiero também apresentou um requerimento que cobra explicações sobre a necessidade de mais uma secretaria extraordinária no Governo do Estado. Segundo ele, não é faz sentido aumentar os gastos com uma estrutura destas no momento econômico que o Tocantins passa. “Qual a necessidade, o papel e a função da Secretaria Extraordinária de Assuntos Comunitários? Temos Secretaria do Trabalho e Assistência Social, Secretaria de Governo, Secretaria de Saúde e outras que já atuam nessa área, qual a necessidade de mais uma secretaria extraordinária?”, perguntou.

Ainda na sessão desta quinta-feira, 27, o parlamentar deu entrada em outro requerimento que reforça o pedido, feito por ele durante a audiência pública da Agência Tocantinense de Regulação (ATR), para que o órgão apresente a base de calculo e a metodologia para chegar ao percentual de 12,7% de reajuste na tarifa de água e esgoto. “Queremos ter acesso a esses dados, vamos solicitar uma equipe na Universidade Federal do Tocantins para nos ajudar a avaliar e estudar esse cálculo e o motivo desse reajuste tão alto. Não podemos apenas aceitar um reajuste desse tamanho sem estudar sua composição”, finalizou.