Da Redação JM Notícia

 

A esposa de Caio Fábio, Adriana D’Araújo, gravou um áudio confirmando a prisão do pastor e revelando que ele já começou a fazer um trabalho de evangelismo na Papuda.

“É verdade sim o que aconteceu e Deus está no controle de toda a situação. Eu não pude entrar, mas a Bruna, como advogada entrou e encontrou ele fazendo a confissão de uma pessoa que queria se confessar com ele”.

Segundo ela, já há uma fila de detentos que querem falar com o pastor e ele está sem muito bem tratado na prisão. “Deus não podia ser mais generoso com ele, porque abriu a porta da evangelização e ele está cheio de ideias para quando sair de lá”, completou.

Adriana tem fé de que ele saíra de lá o mais breve possível da Papuda. Contudo, ela pede para que o pessoal que admira Caio Fábio fique em silêncio. “A sabedoria agora é oramos e guardamos no coração, porque há muita gente que gosta de ver sangue, mas Jesus não gosta”.

VEJA TAMBÉM
Ataídes sela aliança com Amastha e indica o vice: "Vai baixar os impostos", diz Senador

A assessoria do religioso ainda não se pronunciou sobre o caso, mas na página oficial de Caio Fábio foi publicado um vídeo de 2011 quando ele explicou sobre a condenação.

No áudio divulgado pelo WhatsApp, Adriana afirmou que o próprio Caio ira explicar o que aconteceu quando deixar a prisão. “Ele mesmo esclarecerá a todos o que aconteceu e será para a glória de Deus”.

 

Ouça:

Entenda a prisão de Caio Fábio

O “Dossiê Cayman” se refere a um processo de 1998 de documentos que tentavam ligar o então presidente Fernando Henrique Cardoso e outros políticos do PSDB a contas secretas nas Ilhas Cayman.

Apresentado pelo Partido dos Trabalhadores (PT), os documentos eram falsos e Caio Fábio foi apontado por Luís Inácio Lula da Silva como sendo o autor dos documentos fraudulentos.

Caio Fábio foi investigado e em 2011 condenado por falsificação e calúnia. Segundo ele, em vídeo gravado na época da condenação, ele foi inocentado por FHC, mas mesmo assim a juíza decretou sua prisão que só agora foi cumprida.