Da Redação JM Notícia

 

Acabou nesta segunda-feira (26) o Ramadã, o mês sagrado para os muçulmanos. Durante 30 dias, os seguidores do Islã se dedicam à fé, fazem jejum entre o nascer e pôr do sol.

Durante este período, porém, intensificaram o número de ataques terroristas em diversas partes do mundo, a começar pelo ataque em Londres que marcou o início do mês sagrado.

Desde janeiro já foram registrados quase 600 ataques terroristas que deixaram mais de 4.000 mortos segundo dados do Esri Story Maps e do PeaceTech Lab, que analisa os avanços do terrorismo.

Aumentar o número de ataques durante o Ramadã é uma estratégia utilizada pelo grupo Estado Islâmico que desde 2014 tem levado o terror a todo o mundo. Este ano, porém, os soldados do EI não pouparam nem mesmo mecas, destruindo a mesquita de Al Nuri, em Mossul, no Iraque.

Terrorismo gera preconceito contra muçulmanos

O Conselho de Relações Americanas-Islâmicas aponta que em 2017 o número de crimes de ódio contra muçulmanos cresceu 57% em relação a 2015. Comparado aos casos de 2014, os números dobraram e chegaram a 2.213 casos nos Estados Unidos em 2016.

O preconceito contra muçulmanos tem relação com o medo do terrorismo, e as autoridades de diversos países estão agindo de forma preconceituosa contra este grupo de pessoas.

O secretário de estado americano Rex Tillerson, por exemplo, proibiu a realização de um evento de celebração do Ramadã no governo, rompendo com uma tradição firmada desde 1999 entre republicanos e democratas.

Outra ação política considerado preconceito contra os muçulmanos foi a autorização do Tribunal de Justiça Europeu que permitiu empresas de proibir que mulheres muçulmanas usem véus no ambiente de trabalho ou qualquer outro símbolo religioso.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here