Da Redação JM Notícia

O valor do salário mínimo 2018 tem gerado muita polêmica nas redes sociais, pois o governo sancionou a Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) para o valor de R$979, mas dias depois resolveu diminuir em dez reais o valor do salário mínimo.

Muitas pessoas, sem entender, começaram a divulgar que o governo reduziria o valor do salário mínimo atual, o que não é verdade, aumentando o descontentamento com o governo de Michel Temer.

Para esclarecer e evitar novas críticas, o ministro do Planejamento, Dyogo Oliveira, gravou um vídeo para dizer que o valor do salário mínimo 2018 só será conhecido em dezembro, quando divulgarem a taxa da inflação deste ano.

“O que está valendo hoje para 2017 é o salário mínimo de R$ 937 e para 2018 vale o que está na lei, ou seja, o salário mínimo será reajustado pela inflação. Mas o valor definitivo só será conhecido em dezembro, quando teremos um número mais preciso sobre a inflação de 2017”, declarou o ministro.

O reajuste do salário mínimo é calculado através de uma fórmula que soma a variação do Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC) do ano anterior, calculado pelo IBGE; e o resultado do Produto Interno Bruto (PIB) de dois anos antes.

VEJA TAMBÉM
Câmara pode votar MP que facilita privatização de empresas públicas de saneamento básico

Porém, por conta da retração de 2016, só será levado em conta a variação do INPC de 2017. Por conta disto, a correção do salário mínimo deve ser menor em 2018, o que pode desagradar a muitos trabalhadores que esperam um aumento maior.

A estimativa é que o valor seja de R$ 969, o que seria apenas 32 reais de aumento em relação ao salário mínimo vigente. O valor menor, segundo o governo, permitiria uma economia de r$ 3 bilhões ao governo no ano que vem.

Vale lembrar que, segundo o Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese), o valor do salário mínimo no Brasil deveria ser de R$ 3.810,36. Este valor seria o necessário para suprir as despesas de uma família de quatro pessoas com alimentação, moradia, saúde, educação, vestuário, higiene, transporte, lazer e previdência.

 

Assista ao vídeo do Ministro do Planejamento: