Da Redação JM Notícia

Vereador Folha quer barrar criação de CPI e clima esquenta na Câmara

O vereador Lúcio Campelo (PR) apresentou um pedido na Câmara para a criação de uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) para investigar contratos entre a Prefeitura e o Instituto de Sócio Educação de Solidariedade (Ises).

Vários vereadores subscreveram o pedido de CPI 001/2017: Júnior Geo, Leo Barbosa, Vandim da Cerâmica, Lúcio Campelo, Rogério de Freitas, Milton Neris, Diogo Fernandes, Filipe Fernandes e Ivory de Lira.

Ao defender seu pedido, Lúcio Campelo usou a tribuna para cobrar agilidade, uma vez que o Tribunal de Contas do Estado do Tocantins (TCE) já apontou possíveis irregularidades nos contratos, chegando a R$ 51 milhões.

“O fato preponderante para abrir a CPI é a denúncia do TCE”, declarou o parlamentar ao ler o parecer do órgão ligado ao Ministério Público que tem investigado esses contratos e convênios.

“O TCE pede que a Câmara não seja omissa e que ela atue sobre o processo de fiscalizar da Ises e cabe ao vereador dizer sim ou não”, declarou ele.

O presidente da Câmara, vereador Folha Filho, foi até a tribuna contestar o pedido de abertura de CPI, dizendo que o trabalho de investigação já está sendo realizado pelo TCE, não precisando de uma investigação semelhante na Casa de Leis.

VEJA TAMBÉM
Cinthia Ribeiro encaminha Projetos de Lei sobre regulamentação da publicidade volante e poluição sonora

“O que vereador Lúcio fez hoje é chover no molhado”, disse Folha. “Se já está fazendo lá [investigação do TCE], não tem que fazer aqui”, completou o presidente da Câmara.

Para Folha Filho, abrir uma CPI seria perder tempo. “O Tribunal de Contas tem o meu respeito e não dará posicionamento errado neste fato”.

Vereadores discutem e sessão é encerrada 

Alguns vereadores pediram o tempo na fala de Filho, questionando-o sobre o papel do vereador que é, justamente, o de fiscalizar e investigar casos como este.

Vereador Júnior Geo (Pros) é chamado de surdo pelo presidente da Câmara de Palmas

Júnior Geo foi um dos que questionou o presidente e foi chamado de “surdo”. Os ânimos ficaram exaltados e o vereador Milton Neris reafirmou a necessidade da Câmara agir, pois há um fato determinante: prejuízo ao erário público.

O ápice da discussão foi quando o vereador Lúcio Campelo levantou a voz questionando o posicionamento político de Folha Filho, que faz parte da base aliada do Prefeito. Após trocas de ofensas, a sessão foi suspensa por 60 minutos.

Amastha sem maioria – Com a minoria na Câmara de Palmas, há quem diga que a CPI deverá ser aprovada pela Casa de Leis.