Faixada do Supermercado de São Paulo

O Conselho Diretivo Nacional da Associação Nacional de Juristas Evangélicos (Anajure) divulgou uma nota neste domingo (24) em repúdio ao Ministério Público do Trabalho (MPT) e à Defensoria Pública do Estado de São Paulo. A entidade é contra a notificação ao supermercado Hirota Food, acusado de conteúdo discriminatório após distribuir cartilha contra casamento gay e aborto.

Os órgãos pediram na sexta-feira (22) a suspensão do material, denunciado pela internet por uma cliente. O MPT e a defensoria afirmaram que a cartilha atenta contra os direitos fundamentais à dignidade humana, de mulheres, de homens, a liberdade de gênero, a orientação sexual e de expressão da sexualidade.

O documento, para os dois órgãos, submete a constrangimento as trabalhadoras e trabalhadores da rede de supermercados, que são “obrigados a distribuir o material de conteúdo discriminatório, sendo afetados em sua honra e dignidade diante da publicidade ofensiva e desrespeitosa aos valores fundamentais eleitos pela sociedade brasileira plural, democrática e não discriminatória, que contempla a diversidade de gêneros e modelos familiares, como já reconhecido pelo STF, através da ADPF 132, que reconhece também a união homoafetiva como entidade familiar”.

VEJA TAMBÉM
ALERTA|| Saiba o que os templos religiosos/pastores não devem fazer durante as eleições

A Anajure afirma que não se trata de uma cartilha, mas de um livreto e o supermercado estava exercendo direito de liberdade de expressão e religiosa. A entidade afirrma que vai fazer uma denúncia ao Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP) se a suspensão for mantida.

“Destacamos que os clientes ou funcionários não foram obrigados a receber a literatura”, afirma em nota. “Sublinhamos ainda que o devocionário não tem qualquer natureza regulamentar trabalhista, como um código de conduta, não servindo de orientação às práticas empresarias, sendo apenas um ‘regalo de fim de ano’, tal qual é culturalmente feito por várias empresas, por meio de calendários, marca páginas, agendas, canetas, etc – alguns, inclusive, com menções de cunho ideológico ou religioso”, acrescenta a associação. “Entendemos que a simples distribuição de uma literatura que afirma o casamento heterossexual e monogâmico como obra da criação de Deus não significa que o supermercado está discriminando aqueles que pensam diferente ou adotam as práticas apontadas no texto”, opina.

“Além disso, não significa que o supermercado não contrata ou atende indivíduos que pensem de maneira diferente. Por fim, uma leitura atenta dos textos vai indicar que as mensagens não orientam ou instigam a discriminação de pessoas que não concordam com o seu conteúdo.”

VEJA TAMBÉM
Associação Nacional de Juristas Evangélicos se manifesta sobre uniões poliafetivas em julgamento no CNJ

No livro distribuído pelo Supermercado, diz que “Os Pilares do Casamento” tem base em Gênesis 2:24 e mostra três pilares que sustentam o casamento: 1º ser uma união entre um homem e uma mulher; 2º ser monogâmico; e 3º e que a relação sexual só aconteça depois do casamento.

A parte que mais gerou revolta foi uma explicação sobre a homoafetividade dizendo: “O casamento homoafetivo está na contramão do propósito divino e não pode cumprir o seu propósito. A relação homem e homem e mulher e mulher é antinatural, é um erro, uma paixão infame, uma distorção da criação”. Com  informações http://blogs.ne10.uol.com.br/jamildo