Vereador Léo Barbosa (SD), vice-presidente da Câmara de Palmas

 

A sessão extraordinária desta terça-feira (23) para votar a Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) de 2018 teve embate entre vereadores da base e de oposição. O vereador Léo Barbosa criticou o posicionamento de colegas e disse que a Câmara se transformou em um “puxadinho” da prefeitura, deixando de atender a interesses da população, para atender interesses do prefeito Amastha.

Léo destacou que o ano já começou com as mesmas práticas do ano passado e classificou as condutas como um “jogo sujo” bancado pelo executivo, com contribuição da falta de personalidade de alguns vereadores da casa. O vereador também ressaltou que o presidente Folha não respeita a decisão do colegiado.

Para o vice-presidente da Câmara, o orçamento votado no ano passado (30%) não foi suficiente para a educação, prova disso foi a situação dos professores, que paralisaram as atividades e chegaram a fazer greve de fome, por não ter orçamento para cumprir com as obrigações e compromissos estabelecidos em lei. Em 2018, os recursos destinados à pasta foram reduzidos a 27%.

VEJA TAMBÉM
Na Câmara, Léo Barbosa afirma que Palmas inicia mais um ano com velhos problemas

“Não estou falando de uma obrigação do prefeito Amastha, mas de todos os gestores desse país. 25% destinados à educação não é porque o Amastha é bom, e sim porque são limites mínimos constitucionais”, ressaltou.

Outra pasta que teve corte em relação a 2017 foi a da saúde, que passou de 17% para 15%. “Nós estamos tirando 2% que poderiam ser aplicados nas UPAS e nos postinhos. Estamos tirando da saúde e educação para colocar no remanejamento e para que aconteçam mais casos como o da Ises”, se referindo ao rombo nos contratos do município com a Organização da Sociedade Civil de Interesse Público (Oscip) Instituto Sócio Educacional Solidariedade (Ises).

 

COMPARTILHAR