Da Redação JM Notícia

O Banco do Brasil (BB) normatizou a utilização de nome social, ou seja, nome pelo qual travestis, transexuais e transgêneros são socialmente reconhecidos. Desde janeiro do ano passado, o banco público aceita o pedido do funcionário e altera o nome que consta no crachá, cartão de visitas, carimbos e no e-mail institucional.

O BB se tornou assim o primeiro banco do país a normatizar a reconhecer a identidade de gênero de seus funcionários, seguindo o decreto nº 8.727, de 28 de abril de 2016, que determina o uso do nome social de pessoas travestis e transexuais no âmbito da administração pública, federal, direta, autárquica e fundacional, o Banco do Brasil, como administração pública indireta, não foi incluído na obrigatoriedade.

“Mesmo sem a obrigatoriedade legal, o BB entende que aceitar a utilização do nome social sinaliza seu respeito pelas individualidades e reconhece a riqueza da diversidade na construção de um ambiente de trabalho igualitário”, afirmou no ano passado, por ocasião da medida, José Caetano Minchillo, diretor de Gestão de Pessoas do BB. “A utilização do nome social em ambientes corporativos ainda é um tema novo, no entanto, com a normatização do seu uso pelos funcionários, demos mais um passo na construção coletiva de reconhecimento da diversidade no Banco do Brasil”, conclui Caetano.

VEJA TAMBÉM
Mais de 200 vagas de emprego ofertadas no Tocantins nesta segunda-feira, 29; confira

Um ano após a medida, é considerada um marco não apenas para a instituição, mas para as conquistas do público trans que vê cada vez mais ações que os reconhecem. Nos últimos anos outras empresas passaram a respeitar a identidade de gênero de seus funcionários, a rede de supermercados Carrefour é conhecida como uma das pioneiras em contratação de transexuais.

O banco Caixa Econômica Federal já utiliza o nome social de seus funcionários, porém não normatizou o uso do nome social para os demais meios de comunicação internos (e-mail corporativo, entre outros). Há um estudo para essa expansão, mas ainda sem data de previsão para a implantação.

E não é apenas em relações trabalhistas que o nome social tem sido utilizado, o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) permite que os candidatos utilizem o nome social e o desde 2014 o número vem aumentando, passando de 102 pessoas no primeiro ano para 407 no ano de 2016.