Da Redação JM Notícia

A Segunda Turma do Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu nesta terça-feira (24) que o juiz Sérgio Moro, da 13ª Vara Federal em Curitiba, não será mais responsável pelas delações sobre o sítio de Atibaia e Instituto Lula.

Segundo a nova decisão, os delatores da Odebrecht não têm ligações com os desvios de verbas da Petrobrás que começaram a ser investigados em Curitiba, logo, não caberia ao juiz do caso julgar as ações.

Foram 3 votos a 2, seguindo voto divergente do ministro Dias Toffoli, e assim o processo volta a ser pauta para a Justiça Federal de São Paulo, onde os supostos crimes ocorreram.

Pelas delações de Marcelo e Emílio Odebrecht, a empresa de engenharia da família teria custeado despesas pessoais de Lula, incluindo a reforma do sítio que era frequentado pela família do ex-presidente na cidade de Atibaia, interior de São Paulo, além da compra do terreno para a Instalação do instituto Lula, em São Paulo.

Os delatores ainda comentam que os pagamentos feitos pelas “palestras” realizadas pelo ex-presiente foram realizados pela Odebrecht no exterior e faziam parte do esquema de corrupção.

VEJA TAMBÉM
Líderes evangélicos convocam jejum contra legalização do aborto

Os documentos estavam com Moro após uma decisão do ministro Edson Fachin que entendeu ser prudente que o juiz responsável pela Lava a Lato também comandasse o processo em questão. No entanto, a defesa de Lula discordou da decisão e apresentou um recurso que foi julgado hoje tirando o processo das mãos de Moro.