Da Redação JM Notícia

Bispo Robson Rodovalho apresenta Flávio Rocha aos pastores do MS (Foto: Reprodução Instagram)

O bispo Robson Rodovalho, presidente da Confederação dos Conselhos de Pastores do Brasil (Concepab), declarou em entrevista ao jornal O Estado de São Paulo que a entidade deve apoiar candidatos com políticas econômicas liberais que defendam o Estado mínimo e o rigor fiscal.

“O estatismo não levou a lugar nenhum. Alguns Estados não têm dinheiro para pagar a folha de pagamento, rodar seu caixa. O modelo de gestão atual fracassou e a primeira providência, a nosso ver, seria trazer candidatos comprometidos com o liberalismo econômico e a livre-iniciativa”, disse Rodovalho.

Fundador da Igreja Sara Nossa Terra, o religioso confessou que já foi procurar por alguns candidatos à Presidência. Inclusive ele já recebeu em um dos eventos promovidos pela denominação o ex-ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, e o empresário Flávio Rocha que é membro da igreja.

Mas além da questão econômica, o bispo revela que o voto evangélico também se conquista com as pautas ligadas à moral. “Procuramos candidatos que tenham essa visão [liberal] e ao mesmo tempo se alinhem às nossa bandeiras e valores como família, vida e proteção aos princípios que estão na Bíblia”, revelou.

VEJA TAMBÉM
Jair Bolsonaro lidera intenção de votos entre evangélicos, diz pesquisa Ideia Big Data

Rodovalho foi questionado sobre quais as propostas que ele repele e respondeu dizendo que aos evangélicos não cabem “propostas que invertem a ordem social e criam um clima de conflito na sociedade”.

“Hoje vivemos uma sociedade muito conflituosa, um País dividido e isso é resultado de militâncias que acirram a sociedade em visões radicais e também antinaturais. Então, não cabe trazer para a gente qualquer proposta que mude o conceito de família natural, homem e mulher, qualquer militância de gênero, doutrinar as crianças. Alguns desses aspectos para nós estão muito amadurecidos do ponto de vista filosófico”, declarou.

Para o pastor o voto evangélico também se baseia na visão do candidato sobre questões de gênero, aborto e drogas. “Não adianta oferecer o paraíso econômico e o inferno do ponto de vista social”, disse o bispo que já se mostrou à favor da candidatura de Flávio Rocha.