Da Redação JM Notícia 

Todos as propostas passaram pelos deputados tocantinenses

Em 2016, mais de 1 mil pessoas se inscreveram para o concurso público da Assembleia Legislativa do Tocantins que contrataria profissionais de diversas áreas para suprir o quadro de funcionários efetivos.

Destas, apenas 273 pagaram as taxas de inscrição o que totalizou mais de R$ 30 mil arrecadados, dinheiro que não foi devolvido aos candidatos depois que o concurso foi cancelado.

A AL afirmou que vai acionar judicialmente a Funrio, empresa contratada para organizar o concurso, para que ela devolva os valores para os inscritos que chegaram a pagar as taxas que variaram entre R$ 98 e R$ 200.

As inscrições para o concurso foram canceladas em menos de 24 horas após o início, pois os deputados questionarem os valores dos salários, que variavam entre R$ 5 mil e R$ 25 mil. O certame foi cancelado definitivamente.

A Assembleia Legislativa afirma que em abril de 2017 solicitou informações sobre o número de inscritos e o valor arrecadado, assim como o cronograma de devolução das taxas. E recebeu a informação de que estão aptos a serem ressarcidos: 211 inscritos no nível médio (R$ 98 por inscrição); 19 candidatos do nível técnico (R$ 125 por inscrição) e 43 inscritos do nível superior (R$ 200 por inscrição).

VEJA TAMBÉM
Deputados aprovam criação da Escola do Poder Legislativo e outras propostas

Os valores deveriam ser devolvidos entre janeiro e fevereiro deste ano, mas isso não aconteceu. “Atendendo a determinação da presidente da casa, deputada Luana Ribeiro, a Assembleia vai acionar judicialmente a Funrio para que ela devolva os valores cobrados nas taxas de inscrição”, disse em nota.

Porém, não há previsão de quando o pagamento deve acontecer. Os inscritos também podem acionar a Justiça para reaver esses valores.