Da Redação JM Notícia

O Ministério Público Federal (MPF) abriu processo para investigar possíveis irregularidades praticadas na gestão do Instituto de Previdência Municipal de Palmas (Previpalmas), atentendo assim uma solicitação feita à Polícia Federal pelo Sindicato dos Servidores Públicos Municipais de Palmas (Sisemp).

Na manhã desta segunda-feira, 07, o presidente do Sisemp, Heguel Albuquerque, e a diretora, Laura dos Anjos, estiveram no MPF buscando informações sobre o inquérito, ocasião em que também foi protocolado pedido de audiência com o procurador responsável pelo caso.

“Nós enviamos pedido de investigação no Previpalmas para todos os órgãos de fiscalização na área de Previdência e estamos acompanhando de perto o andamento do processo, não deixaremos que esse caso seja esquecido para que não volte a ocorrer”, ressalta o presidente do Sisemp, Heguel Albuquerque.

A ação se refere aos investimentos suspeitos realizados pelo instituto que compromete os valores que garantirão a previdência dos servidores municipais. Um desses investimentos já gerou grandes debates na cidade, pois R$ 30 milhões foram aplicados no Fundo de Investimento em Participações (FIP) Cais Mauá através da corretora ICLA TRUST, novo nome da NSG Capital, a mesma envolvida no escândalo do Igeprev, investigada pelo rombo de R$ 400 milhões na aposentadoria do servidor estadual.

VEJA TAMBÉM
"Folha podre também cai" diz cartaz que protesta contra MP do Previpalmas

Outra aplicação financeira suspeita é a aplicação de R$ 20 milhões feita no Fundo Tercon sem cumprir as regras estabelecidas para o financiamento máximo permitido. Nesse caso, o Previpalmas investiu muito acima do permitido, e por isso corre o risco de perder a Certidão de Regularidade Previdenciária (CRP), do Ministério da Previdência Social.