Da Redação JM Notícia

O deputado federal César Halum (PRB) deu uma sugestão ao governador interino Mauro Carlesse (PHS) para que o Estado consiga garantir a redução dos preços dos combustíveis.
O pedido feito pelo parlamentar é que o Estado diminua de 13,5% para 12% o valor da alíquota do ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Prestação de Serviços) que incide sobre os combustíveis.

Com isso, seria possível garantir uma diminuição nos preços pelo menos dentro do Estado, enquanto o Governo Federal busca uma forma de negociar com a Petrobras e conseguir reduzir o valor do combustível em todo o país.

Halum também informou que uma das propostas do Governo Federal é zerar a Contribuição de Intervenção no Domínio Econômico (Cide) e diminuir o PIS-Cofins para que os combustíveis cheguem ao consumidor mais barato. Mas enquanto isso não acontece, Halum pede uma intervenção do Estado.

“Cada um deve fazer o seu papel. O Governo Federal está estudando zerar a Cide e diminuir o PIS-Cofins, porém se o Estado também fizer sua parte teremos ainda mais resultados positivos nas bombas. Desta forma ganharíamos mais na arrecadação visando o aumento do volume de venda dos combustíveis”, explicou.

VEJA TAMBÉM
PL propõe exigência de exames ginecológicos entre condições previstas para a concessão do Bolsa Família

Halum debate assunto na Câmara dos Deputados

Na manhã desta quarta-feira (23), o deputado federal César Halum levou a discussão do aumento do preço dos combustíveis para a Comissão de Defesa do Consumidor. “Lá externei minha revolta pelas altas consecutivas do preço dos combustíveis. De maneira ordeira e correta os caminhoneiros tem parado diversas rodovias do Brasil, pois eles são os que carregam o nosso setor produtivo”, declarou o parlamentar em suas redes sociais.

Na visão dele, é preciso urgentemente uma intervenção do Governo que desonere os combustíveis e facilite a vida da população. “Consegui que sejam convocados o Ministro de Minas e Energia e o presidente da Petrobras, para que eles prestem esclarecimentos ao Congresso e ao povo brasileiro”, completa.