Da Redação JM Notícia

Na noite deste domingo (27), o presidente Michel Temer anunciou cinco medidas que o governo federal promete realizar para colocar fim à paralisação dos caminhoneiros que entra em seu oitavo dia nesta segunda-feira.

A primeira medida é reduzir R$ 0,46 do preço do óleo diesel por 60 dias, queda corresponde aos valores do Pis/Cofins e da Cide somados. “Para chegar a esses R$ 0,46, o governo está assumindo sacrifícios no orçamento e, naturalmente, honrará essa diferença de custo, sem nenhum prejuízo para a Petrobrás”, anunciou o presidente.

A segunda medida é que passado esses 60 dias, o diesel terá reajustes mensais. “Assim, cada caminhoneiro poderá planejar melhor seus custos e o valor do frete. É a chamada previsibilidade”, completou o presidente.

 atende a uma das reivindicações dos caminhoneiros que A terceira medida é é a isenção da cobrança do eixo suspenso nos pedágios. Temer prometeu uma medida provisória que garantirá a isenção nas rodovias federais estaduais e municipais de todo o país.

A quarta medida é oferecer 30% dos fretes da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) para os caminhoneiros autônomos.

VEJA TAMBÉM
Temer passa por cirurgia em SP para desobstrução da uretra

E, por fim, o governo promete estabelecer uma tabela mínima de frete, conforme prevista no projeto de lei 121, que está em análise no Senado.

“Gostaria de reforçar que as medidas negociadas e assinadas pelos ministros e pelas lideranças seguem valendo. Entre elas, apenas para citar uma, está o acordo de que não haverá reoneração da folha de pagamento do setor de transporte rodoviário de carga”, disse Temer.

Todas as medidas foram publicadas em um Diário Oficial extra, como exigiam os caminhoneiros grevistas. Até o momento, não há informações de que a greve será encerrada.