Da Redação JM Notícia

Nesta sexta-feira (8), munícipes e servidores públicos estarão reunidos na Câmara de Porto Nacional para acompanharem a votação de um pedido do prefeito Joaquim Maia que pede a criação de 31 novos cargos de assessores especiais.

Formada por representantes da sociedade civil e servidores, a Comissão Provisória para Resgate de Porto Nacional já se prepara para tomar as medidas cabíveis para impedir a criação desses cargos através de uma Ação Popular e um Projeto de Lei de Iniciativa Popular que visam extinguir os cargos de assessores especiais criados pelo prefeito de Porto Nacional.

Formada por Luciana Soares, Ermínia Trindade, Ides Neres, Capitão Diógenes, Sargento Wadson e Vereador Djalma Araújo, a comissão tentará mobilizar a população em favor dessa causa.

Segundo a comissão, o Executivo já conta com assessores especiais que custam cerca de R$ 3 milhões ao ano e na última semana de maio o prefeito enviou um pedido à Câmara solicitando, em caráter de urgência, a criação de mais assessorias especiais.

VEJA TAMBÉM
Vacinação contra gripe começa nesta quarta-feira, 10, em Porto Nacional

Os servidores declaram, porém, que enquanto o prefeito cria novos cargos, os servidores estão sem receber a data-base e as progressões. Com a criação dessas novas 31 assessorias especiais, o Município perderia mais de R$ 4,2 milhões por ano.

“A gente vem constatando vários abusos da administração municipal principalmente com as assessorias especiais. São cargos que não precisam, pois cada secretaria já tem sua coordenação e diretoria”, diz o Capitão Diógenes ao JM Notícia.