Da Redação JM Notícia

Eunício Oliveira participou do Seminário “Impactos Sociais, Políticos e Econômicos das Fake News”

 

Para o presidente do Senado, Eunício Oliveira, o Congresso não deve patrocinar a censura prévia em nome do combate a notícias falsas. A declaração foi dada durante o Seminário “Impactos Sociais, Políticos e Econômicos das Fake News”, promovido pela Associação Brasileira de Rádio e Televisão (Abratel) na tarde desta quarta-feira (20).

“Não se pode, por combater fake news, por em risco a liberdade de expressão. O Congresso Nacional, sob minha presidência, não patrocinará qualquer tipo de censura prévia ou cerceamento do direito à liberdade de opinião”, declarou.

O seminário levantava o questionamento do papel do jornalismo no combate a notícias falsas divulgadas, principalmente, por candidatos contra seus concorrentes políticos durante a campanha eleitoral.

Eunício entende os estragos que as notícias falsas podem trazer para a reputação de políticos e que isso resultaria em um trabalho de anos para tentar desconstruir a mentira que foi inventada.

“Duas horas de circulação de notícias falsas exigiriam meses, anos de trabalho para reconstruir a verdade. A internet não esquece”, declarou o senador.

VEJA TAMBÉM
Marina Silva recebeu carta de grupo LGBTI, mas não assinou, diz assessoria

O Parlamento está ciente dessa prática e já criou a Frente Parlamentar de Combate às Fake News, com adesão de deputados e senadores. Ainda segundo Eunício, o Conselho de Comunicação do Senado Federal promove discussões sobre fake news e democracia desde dezembro do ano passado.

“A partir dessas discussões, determinei ao Conselho que organizasse uma comissão encarregada de elaborar um relatório sobre vários projetos em tramitação no Congresso Nacional que tratassem das notícias falsas”, completou o senador.