Da Redação JM Notícia

Lula permanecerá preso

O pedido de habeas corpus apresentado pelos advogados do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva foi apresentado na manhã deste domingo  (8) 28 minutos antes do desembargador Rogério Favreto assumir o plantão do TRF4, em Porto Alegre.

Pelas regras, com o início do plantão, apenas Favreto poderia julgar o pedido e às 9h05 ele emitiu o pedido de habeas corpus alegando que, por Lula ser pré-candidato à Presidência poderia ganhar a liberdade.

O juiz Sérgio Moro, que deveria providenciar a soltura do ex-presidente, se negou a fazê-lo por declarar que Favreto não tinha competência para julgar o processo e consultou o relator da Lava Jato no TRF4, o desembargador Gebran Neto.

Favreto não aceitou a explicação do juiz e emitiu mais um documento exigindo a soltura de Lula. “Registro ainda, que sem adentrar na funcionalidade interna da Polícia Federal, o cumprimento do Alvará de Soltura não requer maiores dificuldades e deve ser efetivado por qualquer agente federal que estiver na atividade plantonista, não havendo necessidade da presença de delegado local”.

VEJA TAMBÉM
Magno Malta recebe convite formal de Jair Bolsonaro para ser vice em sua chapa

Gebran Neto declarou que não estava autorizado a soltura de Lula, pois por ser o relator do processo, apenas ele, e não o plantonista, poderia analisar e julgar o pedido de habeas corpus.

Mesmo assim, Favreto emitiu um terceiro decreto reafirmando a concessão de liberdade e dando uma hora para soltarem Lula. A liberdade não foi concedida porque a Procuradoria Regional da República da 4ª Região (PRR4), braço do Ministério Público para os processos no TRF4 protocolou um mandado de segurança distribuído ao presidente da corte, o desembargador Carlos Eduardo Thompson Flores, que decidiu manter a prisão do petista.

Historiador afirma que PT tentou dar golpe 

Ao analisar os fatos, o historiador Marco Antônio Villa declarou que o PT tentou dar golpe para autorizar a liberdade de Lula , preso há três meses após ser condenado em segunda instância a 12 anos e um mês de prisão por corrupção passiva.

Villa chegou a este entendimento pelo tempo de apresentação do pedido de habeas corpus feito em um domingo e pelo desembargador plantonista ter sido filiado ao PT por quase 20 anos, inclusive foi indicado ao cargo pela ex-presidente Dilma Rousseff.

VEJA TAMBÉM
Entenda como será a votação da Câmara sobre a denúncia contra Michel Temer