Da Redação JM Notícia

Os pastores George Alves e Juliana Alves, da Igreja Batista Vida e Paz em Linhares (ES) recebem o carinho dos fiéis após perderem dois filhos em um incêndio

O presidente da CPI dos Maus-Tratos, senador Magno Malta (PR-ES), deverá se encontrar esta semana com o juiz André Dadalto, da 1ª Vara Criminal de Linhares (ES) e responsável pelo processo do casal de pastores George Alves e Juliana Salles, acusado de assassinar duas crianças. O anúncio foi feito pelo próprio senador durante reunião desta quinta-feira (12) na CPI.

Para a polícia civil, George Alves estuprou, agrediu e por fim matou seu filho Joaquim Alves, de 3 anos, e o enteado Kauã Salles, de 6, na madrugada de 21 de abril. Ele está preso desde o dia 28 de abril numa cela isolada do Centro de Detenção Provisória de Viana II, na Grande Vitória, por estar atrapalhando as investigações.

Juliana Salles foi presa em Teófilo Otoni (MG) na noite de 19 de junho, onde morava com parentes desde a tragédia, após a Justiça acatar a denúncia do Ministério Público de que ela sabia dos abusos sexuais cometidos por Alves, seu marido, contra os próprios filhos, e que foi omissa.

VEJA TAMBÉM
Polícia do Zimbábue prende pastor que vendia bilhetes para o céu

Após a reunião com o juiz Dadalto, Malta disse que seu objetivo é fazer uma acareação entre os acusados no início de agosto na CPI, após o recesso parlamentar.

“Os requerimentos já estão aprovados, e segundo as investigações, outras cinco crianças também podem ter sido abusadas por esse criminoso. Como pode uma pessoa atingir tal nível de crueldade, abusar e queimar vivos os próprios filhos? Isso me chocou de uma forma que não consigo descrever, acho que ele pode até ter feito outras vítimas, eu preciso e vou até o fim nessas investigações’, afirmou o senador em entrevista à Agência Senado.