Bolívia quer fiscalizar dízimos e ofertas de igrejas

Lideranças religiosas se sentem ameaçadas pelo Governo

Da Redação JM Notícia

Evo Morales, presidente da Bolívia

Cristãos da Bolívia estão em alerta por conta de uma proposta de aliados do presidente Evo Morales que pretende fiscalizar os dízimos e ofertas das igrejas. Lideranças religiosas acreditam que a proposta de regulamentação é uma ameaça à religião.

O presidente da Associação de Igrejas Evangélicas de Cochabamba, pastor Eloy Lújan, fez duras críticas ao deputado Sergio Choque. “Deputado desocupado! Qual é a verdadeira intenção do governo? “, questionou.

Luján afirma que a iniciativa seria uma violação da constituição e lembrou que esta não foi a primeira vez que o político lançou propostas contra evangélicos.O congressista Enrique Montesinos Siles também comentou o projeto de regularização do dízimos. Ele se mostrou contra a medida e declarou que os políticos bolivianos deveriam focar no controle do tráfico de drogas.

“Creio que é um absurdo que queiram começar a supervisionar as ofertas. Os líderes de igrejas precisam monitorar as contribuições, mas não os políticos ou o governo, que não têm nada a ver com quantias voluntárias doadas às igrejas”, disse.

VEJA TAMBÉM
Em evento com evangélicos, Andrino reforça compromisso com justiça social e fim dos privilégios