Da Redação JM Notícia

Pastor Renato Vargens e Pastor Geremias Couto criticam o “coaching ministerial”

Há alguns anos tem surgido no meio gospel o coaching ministerial, um serviço de desenvolvimento pessoal para pastores e líderes religiosos que desejam melhorar suas habilidades para exercer a função.

Enquanto muitos pastores procuram por este tipo de treinamento, outros criticam a eficácia de tal serviço oferecido, entre outros nomes, por Bruno Monteiro e Tiago Brunet.

Nesta quarta-feira (14) o pastor Renato Vargens criticou o coaching pastoral dizendo que é uma moda seguida por igrejas teologicamente fracas. “Uma das principais características de uma igreja fraca teologicamente é que ela vive de modismos. A moda da vez é o tal do “coaching”. Pois é, o que tem de pastor abandonando a exposição bíblica por isso não está no gibi, não é verdade?”

Vargens critica precisamente os pastores que passam a pregar sobre autodesenvolvimento e não mais sobre a Bíblia e mensagem do Evangelho. “Pastores não foram chamados para isso, pastores foram chamados para pregar o evangelho, portanto, se o seu pastor não tem pregado mais a Bíblia como outrora fazia, vale a pena conversar com ele sobre a necessidade de voltar a proclamar as verdades das Escrituras”, declarou.

VEJA TAMBÉM
Pastor critica interesse de Luciano Huck na Presidência no país: "Brasil é casa de tolerância"

O pastor Geremias Couto também criticou a prática através de uma ironia em seu Twitter: “Ide por todo o mundo e pregai o ‘coaching’ a toda criatura. Quem crer no ‘coaching’ e for ‘iniciado’ será selecionado. Quem não crer e espinafrar o ‘coaching’ será deserdado.”

O “COACHING” E O DESPREPARO DO PASTOR Uma das principais características de uma igreja fraca teologicamente é que ela…

Publicado por Renato Vargens em Terça-feira, 14 de agosto de 2018