Da Redação JM Notícia

O empresário Jack Phillips teve sua liberdade religiosa e de expressão garantida pela Suprema Corte dos EUA

Depois de ter seu direito a liberdade de consciência e de crença reafirmados pela Suprema Corte dos Estados Unidos, o confeiteiro Jack Phillips resolveu processar o Estado do Colorado por perseguição religiosa.

O caso ficou mundialmente conhecido pois Phillips se negou a produzir um bolo de casamento para um casal de homossexuais. Mesmo indicando uma outra confeitaria para atender os clientes, o empresário foi processado pela Comissão de Direitos Civis do

Colorado e sofreu diversos prejuízos até a decisão da Suprema Corte que foi em seu favor.
Mas agora, o processo contra o Estado se deve a um novo caso: dessa vez um transexual quis comemorar seu “aniversário” de mudança de sexo e foi justamente na Masterpiece Cakeshop pedir um bolo azul por fora e rosa por dentro.

Propositalmente ou não, o pedido acabou indo parar novamente na Divisão de Direitos Civis do estado que voltou a representá-lo judicialmente, novamente, alegando preconceito.

Phillips rejeitou qualquer acordo com a autora do processo nas audiências de conciliação, e resolver processar o Estado por acreditar que a Divisão está em “uma cruzada para esmagá-lo” por conta da sua visão cristã a cerca da homossexualidade.

VEJA TAMBÉM
Governo chinês revê leis religiosas que entrarão em vigor em 2018

A Aliança de Defesa da Liberdade (ADF, na sigla em inglês), um grupo de advogados cristãos, está o ajudando nesse processo e com a decisão da Suprema Corte ele tem mais chances de provar que sua liberdade de consciência deve ser respeitada.