Da Redação JM Notícia 

Mais de 500 candidatos a cargos políticos nas eleições de 2018 colocaram cargos eclesiásticos no nome de urna registrados juntos ao Tribunal Superior Eleitoral. Títulos como padre, pastor, bispo ou missionário são alguns  dos nomes utilizados por pelo menos 521 candidatos.

Desses, o principal título religioso utilizado nos pedidos de registro de 2018 é o de “pastor” ou “pastora”, em 313 casos, seguido por “irmã” ou “irmão” (97) e “missionário” ou “missionária” (40). Padres foram 17 candidatos, Frei apenas 1 nome e pai ou mãe de Santo foram dez candidatos.

Cada vez mais comum, a participação de lideranças religiosas na política tem levado cada vez mais nomes a postularem um cargo. E os números são cada vez maiores.

Não há regras que impeçam o uso desses títulos, a lei brasileira só proíbe o uso dos espaços de culto para a propaganda eleitoral. Quanto ao nome de urna a regra é apenas não ultrapassar 30 caracteres.