Da Redação JM Notícia 

Letícia e Isadora se suicidaram no começo dessa semana

A morte de duas estudantes tocantinenses volta a despertar a sociedade para o debate referente a prevenção do suicídio.

Na madrugada desta terça-feira (21) o corpo de Letícia Macedo dos Santos foi encontrado por familiares dentro do banheiro da residência localizada no Setor Costa Esmeralda, em Araguaína.

Aos 15 anos, Letícia sofria de depressão. Ela é filha do policial Dionedith Oliveira Macedo que foi assassinado em 2013.

Na segunda (20), a estudante de Medicina Veterinária Isadora Menezes também se suicidou. Ela foi encontrada por familiares na residência localizada na 606 Sul, em Palmas.

Segundo o Ministério da Saúde, o suicídio é a quarta maior causa de morte de jovens entre 15 e 29 anos no Brasil. Os números de casos aumentam a cada ano e muitas vezes estão ligados à depressão.

Entre os fatores de risco para o suicídio estão transtornos mentais, como depressão, alcoolismo, esquizofrenia; questões sociodemográficas, como isolamento social; psicológicos, como perdas recentes; e condições clínicas incapacitantes, como lesões desfigurantes, dor crônica, neoplasias malignas.

VEJA TAMBÉM
Cinthia Ribeiro anuncia climatização de todas as unidades escolares até agosto

No entanto, tais aspectos não podem ser considerados de forma isolada e cada caso deve ser tratado no Sistema Único de Saúde conforme um projeto terapêutico individual.

Acompanhamento pode evitar casos de suicídio 

Segundo o Ministério da Saúde, no primeiro boletim sobre o tema divulgado no ano passado, serviços de assistência psicossocial tem papel fundamental na prevenção do suicídio. O Boletim apontou que nos locais onde existem Centros de Apoio Psicossocial (CAPS), uma iniciativa do SUS, o risco de suicídio reduz em até 14%.