Da Redação JM Notícia 

Wanderlei Barbosa é vice-governador do Tocantins

O vice-governador do Tocantins e candidato à reeleição Wanderlei Barbosa (PHS) rebateu nesta terça-feira, 11, as acusações do candidato Carlos Amastha de que o Governo pode acabar com o Plansaúde. Wanderlei lamentou que, na falta de propostas, a campanha do ex-prefeito tenha que apelar para fake news no horário eleitoral.

De acordo com Wanderlei Barbosa, ao contrário de acabar, a gestão de Mauro Carlesse (PHS) tem fortalecido o Plansaúde. “Quando assumimos o Governo, já existia um processo licitatório em curso, porém não havia sido finalizado. Para que não houvesse interrupção no atendimento dos usuários, nós negociamos com a Unimed Centro-Oeste e a empresa continuou a operacionalização até a conclusão da licitação. Deste modo, o Plansaúde manteve o atendimento regularmente”, explicou.

Com a finalização do processo licitatório, o Governo assinou contrato com a empresa Infoway. Wanderlei destacou que a medida chegou a ser elogiada pela Defensoria Pública do Estado (DPE), que disse que a mudança vai melhorar o atendimento e garantir economia aos cofres públicos. “Em relação à taxa de administração, o Governo conseguiu uma redução na operacionalização de cerca de 50%, passando de mais de R$ 1,2 milhão que era passado para a Unimed Centro-Oeste para cerca de R$ 650 mil que será pago para a Infoway. Essa diferença será repassada em melhorias para os usuários”, afirmou.

VEJA TAMBÉM
SSP confirma realização de curso de formação da Polícia Civil para agosto

Wanderlei lembrou também que, além de não haver aumento para os usuários, o Governo Carlesse desde que assumiu o Estado já pagou R$ 111 milhões aos prestadores de serviços do Plansaúde. “O restante da dívida do Plansaúde está sendo negociado pelo Governo com a mediação dos órgãos do Poder Judiciário”, disse.

Cronologia do Plansaúde

– 07 de novembro de 2017 (Gestão Marcelo Miranda) – Polícia Federal faz operação que atinge o Plansaúde: A operação Marcapasso mostrou um esquema de superfaturamento no setor de cardiologia. Depois disso, o governo suspendeu pagamentos de procedimentos cardiológicos.

– 13 de novembro de 2017 (Gestão Marcelo Miranda) – O governo do Estado decidiu não renovar com a Unimed Centro-Oeste. A decisão ocorreu durante reunião da comissão de reestruturação do plano em Palmas. O contrato com a Unimed Centro-Oeste venceria no dia 12 de janeiro de 2018.Na época, o Governo do Estado foi a própria empresa que manifestou o interesse em não renovar. Os prestadores de serviços cobravam uma dívida de R$ 73 milhões da gestão de Marcelo Miranda.

– 31 de janeiro de 2018 (Gestão Marcelo Miranda) – O governo do Estado prorrogou por mais 60 dias o contrato para a Unimed Centro-Oeste continuar administrando o Plansaúde. A cooperativa deveria administrar o plano dos servidores públicos até o fim de março. Os prestadores de serviço cobram cerca de R$ 100 milhões do Estado em dívidas.

VEJA TAMBÉM
Vicentinho acusa Carlesse de usar a máquina pública para vencer a eleição

– 31 de março de 2018 (Gestão Mauro Carlesse) – Ao assumir o Governo, Carlesse prorrogou o contrato com Unimed Centro-Oeste em até 12 meses, uma vez que a gestão do governador cassado Marcelo Miranda não havia concluído o processo licitatório. Para não ocorrer a descontinuidade dos serviços do Plansaúde, o governador Mauro Carlesse solicitou a Unimed Centro Oeste-Tocantins concordou em prorrogar o contrato que venceria neste sábado, 31 de março.

– 24 de agosto de 2018 (Gestão Carlesse) – Em apenas 120 dias à frente do Governo do Estado, o governador Mauro Carlesse (PHS), já pagou R$ 111 milhões aos prestadores de serviço do Plansaúde. Antes de Carlesse assumir o Governo, o usuário do Plansaúdeenfrentava constrangimentos e negativas de atendimentos, devido à falta de repasses aos prestadores de serviço.

O montante de serviços pagos foi direcionado aos prestadores de pessoa física, jurídica, remoções, liminares, intercâmbios(atendimentos fora do estado), serviços odontológicos (Prodent) e taxas de administração (Unimed Centro-Oeste). Os valores foram faturados por todos os prestadores e devidamente auditados e liberados para pagamento.