Marcelo Crivella vira réu por reunião com pastores no Palácio do Governo. Foto: Reprodução

Evangélico e bispo da Igreja Universal do Reino de Deus, o atual prefeito do Rio de Janeiro, Marcelo Crivella, vai enfrentar a justiça do Rio que aceitou denúncia contra ele, por improbidade administrativa após ação civil pública movida pelo Ministério Público devido a uma reunião do prefeito com pastores evangélicos ocorrida no Palácio da Cidade, no início de julho.

A decisão foi tomada na última quarta-feira (12), pelo juiz Eduardo Klausner, da 7ª Vara de Fazenda Pública do Rio, como mostrou a Globonews. Na sentença, o magistrado afirma:

“Recebo a petição inicial e determino a citação do réu para apresentar contestação. Intime-se, também, o Município”, escreveu ele.

Com isso, o prefeito vira réu no processo e caso seja condenado, pode até perder os direitos políticos. Procurados pela reportagem, a assessoria da Prefeitura não se manifestou até o fechamento desta matéria.

Origem da denúncia

A denúncia, feita através de uma ação civil pública do Ministério Público do Rio de Janeiro, foi feita logo após encontro com 250 pastores e líderes religiosos no Palácio da Cidade, sede da prefeitura do Rio.

VEJA TAMBÉM
Coreto onde Edir Macedo iniciou suas pregações pode ser tombado por “interesse religioso”

Na ação, os promotores afirmavam que Crivella “usou o espaço público e extrapolou limite do razoável ” ao fazer a reunião, chamada de secreta, e oferecer vantagens como cirurgias de cataratas e varizes para fiéis.

O prefeito chegou a dizer para que os presentes procurassem uma assessora da prefeitura, conhecida como “Márcia”.

Com informações G1